IPCA
0,51 Nov.2019
Topo

Light ainda busca solução "estruturante" para reduzir alavancagem, diz CEO

29/03/2019 15h43

SÃO PAULO (Reuters) - A elétrica Light busca alternativas para reduzir sua alavancagem, que subiu ao final de 2018 para 3,63 vezes se considerada a relação entre dívida líquida e geração de caixa, ante 3,57 vezes no trimestre anterior e 3,32 vezes no segundo trimestre de 2018, disse nesta sexta-feira o presidente da companhia, Luis Fernando Paroli.

A fala do executivo, em teleconferência de resultados, veio após pergunta de um analista sobre a possibilidade de um aumento de capital na empresa, que é controlada pela mineira Cemig.

A Light chegou a assinar em agosto de 2018 memorando de entendimento para uma oferta pública de ações que seria ancorada por fundos de investimento liderados pela GP Investments, mas o negócio foi posteriormente cancelado por desentendimentos sobre preços a serem praticados na operação.

"Acreditamos que com as ações que estamos tomando a gente pode, sim, reduzir a alavancagem ao longo de 2019, mas como o endividamento é bastante elevado, a gente pensa, sim, na possibilidade de atuar de alguma outra forma mais estruturante de capital, de maneira que a gente consiga diminuir o tempo dessa desalavancagem", afirmou Paroli.

"A gente tem mais de uma possibilidade, de forma de equacionamento, e a gente vai ao longo do ano trabalhar nessas opções, para que a gente possa ter uma solução mais estrutural para a companhia", acrescentou ele, sem detalhar.

A dívida líquida da Light fechou 2018 em 8 bilhões de reais, sendo que a companhia tem um caixa de 1,68 bilhão de reais.

(Por Luciano Costa)

Economia