IPCA
0.01 Jun.2019
Topo

Vale tem prejuízo de US$1,64 bi no 1º tri por Brumadinho; Ebitda negativo pela 1ª vez

2019-05-09T19:11:17

09/05/2019 19h11

RIO DE JANEIRO, 9 Mai (Reuters) - A Vale registrou prejuízo líquido de US$ 1,64 bilhão no primeiro trimestre, contra lucro de US$ 1,59 bilhão no mesmo período de 2018, com impactos do desastre de Brumadinho, que provocou ainda seu primeiro Ebitda ajustado negativo de sua história, informou a empresa nesta quinta-feira.

Maior produtora global de minério de ferro, a empresa teve um resultado antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) ajustado negativo em US$ 652 milhões nos três primeiros meses do ano, contra US$ 3,93 bilhões positivo no primeiro trimestre do ano passado.

O impacto financeiro da ruptura da barragem de Brumadinho (MG), em 25 de janeiro, foi de US$ 4,954 bilhões, de acordo com a empresa, devido a provisões, volumes perdidos, despesas de paradas, dentre outros.

Brumadinho: Imagens mostram rompimento da barragem e extensão da lama; veja

UOL Notícias

Excluindo o impacto financeiro do Ebitda, o lucro líquido pró-forma da companhia teria atingido US$ 3,312 bilhões no primeiro trimestre, sendo US$ 500 milhões abaixo do quarto trimestre de 2018, devido, principalmente, a menores volumes de venda.

Devido ao desastre de Brumadinho, foram feitas provisões de US$ 2,423 bilhões para os programas e acordos de compensação e remediação e de US$ 1,855 bilhão para descomissionamento ou descaracterização de barragens de rejeito. Os volumes perdidos impactaram o resultado em US$ 290 milhões e despesas com paradas somaram US$ 160 milhões.

O rompimento da barragem da mina de ferro Córrego do Feijão em Brumadinho (MG), com capacidade para armazenar mais de 12 milhões de metros cúbicos de rejeitos de mineração, liberou uma onda de lama que atingiu instalações da empresa, mata, comunidades e rios da região, incluindo o importante rio Paraopeba.

Foram confirmados, até o momento 237 vítimas fatais, grande parte de funcionários da própria Vale, e outras 33 pessoas estão desaparecidas.

Mais Economia