IPCA
0.13 Mai.2019
Topo

Vendas no varejo do Brasil têm 1ª queda para abril em 4 anos

Marlon Costa/Futura Press/Estadão Conteúdo
Imagem: Marlon Costa/Futura Press/Estadão Conteúdo

Por Rodrigo Viga Gaier e Camila Moreira

2019-06-12T09:05:04

2019-06-12T10:23:20

12/06/2019 09h05Atualizada em 12/06/2019 10h23

RIO DE JANEIRO/SÃO PAULO, 12 Jun (Reuters) - As vendas varejistas no Brasil tiveram em abril o primeiro resultado negativo para o mês em quatro anos e iniciaram o primeiro trimestre sob pressão de supermercados, em meio às dificuldades da economia e do mercado de trabalho do país em deslanchar.

As vendas no varejo tiveram em abril queda de 0,6% na comparação com o mês anterior, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta quarta-feira (12).

Essa é a primeira contração para o mês desde 2015, quando houve queda de 1%, e também o dado mais fraco desde dezembro (-2,5%).

Na comparação com o mesmo mês do ano anterior, o setor apresentou avanço de 1,7% nas vendas, dado mais baixo para abril desde 2017, quanto houve ganho pela mesma taxa.

Os resultados foram mais fracos do que as expectativas em pesquisa da agência de notícias Reuters, de estabilidade na comparação mensal e de alta de 2,85% na base anual.

A queda do comércio reflete o ambiente econômico em geral, a perda da confiança que afeta o poder de compra e o apetite por consumo, e faz com que as pessoas foquem na compra do que é essencial.
Isabella Nunes, gerente da pesquisa

5 das 8 atividades pesquisadas tiveram queda

O IBGE explicou que, entre as oito atividades pesquisadas, cinco tiveram resultados negativos, sendo os destaques a queda de 1,8% nas vendas de Hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo e a de 5,5% de Tecidos, vestuário e calçados (-5,5%).

"Em abril, nem a Páscoa salvou o comércio. Nossas informações mostram que os pequenos negócios, como padarias, mercearias e hortifrutis, que têm menos poder de barganha com fornecedores e menor margem de lucro, foram os mais afetados", completou Isabella.

Também apresentaram perdas Artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos (-0,7%), Outros artigos de uso pessoal e doméstico (-0,4%) e Equipamentos e material para escritório, informática e comunicação (-8,0%).

No varejo ampliado, que inclui veículos e material de construção, houve estabilidade das vendas em abril, sendo que as compras de Material de construção aumentaram 1,4% sobre o mês anterior e as de Veículos, motos, partes e peças subiram 0,2%.

Retomada ainda não se concretizou

Apesar de a inflação e os juros permanecerem em patamares baixos, a aguardada retomada do consumo e da indústria não se concretizou da maneira esperada, em meio a um desemprego ainda elevado.

Ainda assim, no primeiro trimestre as despesas das famílias aumentaram 0,3%, de acordo com os dados do Produto Interno Bruto (PIB) divulgados pelo IBGE, o que impediu uma contração maior da economia no período --o PIB terminou os três primeiros meses do ano com recuo de 0,2% na comparação com o período imediatamente anterior.

A última pesquisa Focus do Banco Central aponta que o mercado projeta crescimento econômico este ano de 1%, em estimativa que vem sofrendo sucessivas reduções.

Mais Economia