PUBLICIDADE
IPCA
0,86 Out.2020
Topo

Japão corta previsão de despesas de capital com demanda global fraca

22/01/2020 08h52

TÓQUIO (Reuters) - O governo do Japão cortou sua avaliação das despesas de capital em janeiro pela primeira vez em oito meses devido à menor demanda global, mas disse que sua visão geral da economia permanece inalterada em relação a dezembro.

O relatório econômico do governo veio depois que o Banco do Japão elevou suas previsões de crescimento na terça-feira, embora o presidente do banco central, Haruhiko Kuroda, tenha dito que a inflação baixa significa que a instituição precisa manter suas políticas de estímulo.

"A economia está se recuperando em um ritmo moderado, enquanto mostra fraqueza centrada na manufatura... em meio a uma fraqueza contínua nas exportações", disse o Gabinete no relatório.

Entre os principais elementos econômicos, afirmou que os gastos de capital estão "na tendência de aumento moderado, mas mostram alguma fraqueza".

O Japão precisa de uma demanda doméstica sólida, como gastos de capital, para compensar os riscos para sua economia dependente de exportação.

A avaliação de janeiro foi um pouco mais fraca do que em dezembro, quando o Escritório do Gabinete disse que o capex estava aumentando moderadamente, mas com fraqueza no investimento em máquinas.

"A fraca demanda externa pesou na produção industrial, o que levou as empresas a restringirem os gastos de capital", disse uma autoridade.

No relatório de janeiro, o governo manteve sua visão sobre a produção industrial, dizendo que estava "enfraquecendo ainda mais". Ele também disse que as exportações estão enfraquecendo.

O relatório disse que a economia deve continuar se recuperando moderadamente graças a medidas de estímulo do governo, com os ambientes de trabalho e salários melhorando, embora a fraqueza permaneça.

O relatório acrescentou que o governo acompanhará de perto as perspectivas para a economia da China, o Brexit e a situação no Oriente Médio, que podem impactar os mercados financeiros, bem como o aumento do imposto sobre vendas no Japão.

(Por Kaori Kaneko)