PUBLICIDADE
IPCA
+0,93 Mar.2021
Topo

Ata do BCE mostra hesitações sobre medidas da luta contra o coronavírus

09/04/2020 10h29

FRANKFURT (Reuters) - As autoridades do Banco Central Europeu temiam uma rápida deterioração da economia da zona do euro quando decidiram tomar uma série de medidas de emergência, mas alguns ainda expressaram reservas sobre o lançamento de novas compras de títulos, mostrou nesta quinta-feira a ata da reunião de emergência de 18 de março.

Com os mercados financeiros em colapso e os custos de empréstimos subindo para os membros mais fracos da zona do euro, o BCE concordou em uma reunião tarde da noite em descartar muitas de suas regras de estímulo anteriores e comprar até 1,1 trilhão de euros em dívida este ano para ajudar empresas e governos em dificuldades.

A medida foi uma reviravolta notável em relação a apenas seis dias antes, quando o BCE concordou com um pequeno aumento nas compras de ativos e a presidente Christine Lagarde minimizou a crise, até mesmo argumentando que não era tarefa do BCE ajudar a "fechar spreads".

Essa observação provocou o maior salto diário nos custos dos empréstimos italianos desde 2011 e chamou a atenção de investidores e até de chefes de Estado pelo que consideraram falta de solidariedade com os países enfrentando o vírus.

"Houve um acordo unânime de que são necessárias ações ousadas e decisivas para combater os sérios riscos que o coronavírus em rápida expansão apresenta para o mecanismo de transmissão da política monetária", afirmou o BCE.

"Algumas reservas foram expressas por alguns membros sobre a necessidade de lançar um novo programa dedicado de compra de ativos", afirmou o BCE, acrescentando que a autoridade também tinha preocupações sobre a proposta de comunicação sobre o limite do emissor.