PUBLICIDADE
IPCA
-0,38 Mai.2020
Topo

S&P 500 se mantém em máximas perto de 3 meses com foco em economia e tensão EUA-China

28/05/2020 11h52

Por Medha Singh

(Reuters) - As ações dos Estados Unidos oscilavam entre leves altas e estabilidade nesta quinta-feira, com o S&P 500 se mantendo nas máximas de quase três meses, à medida que investidores pausavam um rali de três dias conforme avaliavam esperanças de uma rápida recuperação econômica e tensões entre Estados Unidos e China.

Boeing Co. avançava 3%, a maior alta entre os 30 componentes do Dow, depois de a fabricante de aviões dizer que retomou a produção de seu jato 737 MAX na fábrica em Washington, embora em ritmo lento.

O seu principal fornecedor, Spirit AeroSystems, subia 0,9%.

Analistas têm alertado que a deterioração dos laços entre Washington e Pequim sobre o tratamento do surto de coronavírus e uma nova lei de segurança nacional em Hong Kong representam uma grande ameaça à forte recuperação do mercado de ações em relação ao crash no início deste ano.

"Prefiro que o mercado não suba tão rápido, porque quanto mais forte é a alta, mais vulnerável o mercado se torna a uma retração", disse Randy Frederick, vice-presidente de negociação e derivativos da Charles Schwab em Austin, Texas.

O presidente Donald Trump prometeu agir a respeito de Hong Kong até o final da semana.

Os fabricantes de chip, em sua maioria com grande exposição à China, recuavam 0,5%.

Enquanto isso, o número de norte-americanos que solicitou auxílio-desemprego ficou acima de 2 milhões pela décima semana consecutiva, enquanto um relatório separado mostrou que o PIB dos EUA encolheu a uma taxa anualizada de 5%, maior que o esperado no primeiro trimestre e a mais forte desde a Grande Recessão de 2007/09.

Seis dos 11 principais setores de S&P subiam, com o de saúde liderando os ganhos.

Às 11:48 (horário de Brasília), o índice Dow Jones subia 0,41%, a 25.652 pontos, enquanto o S&P 500 ganhava 0,264811%, a 3.044 pontos. O índice de tecnologia Nasdaq avançava 0,6%, a 9.469 pontos.

(Reportagem de Medha Singh e Devik Jain)

Economia