PUBLICIDADE
IPCA
0,64 Set.2020
Topo

Latam propõe novo acordo de financiamento de US$2,45 bi em processo de recuperação judicial no EUA

17/09/2020 12h04

Por Fabian Cambero e Aislinn Laing

SANTIAGO (Reuters) - A Latam Airlines apresentou uma nova proposta de financiamento de 2,45 bilhões de dólares no meio de seu processo de recuperação judicial nos Estados Unidos, substituindo proposta anterior, que levou o juiz a rejeitar o plano original no início deste mês.

O maior grupo de transporte aéreo da América Latina disse ao regulador de valores mobiliários chileno em carta na noite de quarta-feira que o novo empréstimo DIP (debtor-in-possession, empréstimo dentro do processo de recuperação judicial) "basicamente" manteve a estrutura apresentada em julho.

Pela nova proposta, o empréstimo terá vencimento em 18 meses e uma taxa anual de Libor mais 15%.

Em uma tranche, a empresa de gestão de ativos Oaktree Capital Management alterou a proporção do empréstimo que estava oferecendo para 1,125 bilhão de dólares, de 1,3 bilhão originalmente, com um grupo de credores formado pelo banco de investimento Jefferies Group fornecendo um adicional de 175 milhões de dólares.

Em uma segunda tranche, vários acionistas importantes da Latam, incluindo a família Cueto, que controla a companhia, e a Qatar Airways, mudaram sua oferta do empréstimo conversível de 900 milhões de dólares, anteriormente rejeitada pelo juiz em meio à oposição de outros credores, para 750 milhões com 250 milhões de dólares adicionais de financiamento de credores liderados pelo Jefferies Group e 150 milhões de outros acionistas da Latam ou novos investidores.

A Latam disse em comunicado que, se novos investidores não forem encontrados, os principais acionistas da empresa e o Jefferies Group financiarão a diferença. Também estipulou que ambas as parcelas dos empréstimos deveriam ser pagas em dinheiro, ao invés de títulos, como estava anteriormente no plano rejeitado pelo juiz.

A Latam entrou com pedido de recuperação judicial em maio, com o objetivo de reestruturar 18 bilhões de dólares em dívidas, uma vez que foi prejudicada pela crise mundial do setor causada pela pandemia de coronavírus.