PUBLICIDADE
IPCA
0,64 Set.2020
Topo

Varejo tem recorde de vendas em agosto com impulso de auxílio emergencial, diz IBGE

Funcionário de comércio em São Paulo aplica álcool em gel nas mãos de cliente - Patricia Borges / Estadão Conteúdo
Funcionário de comércio em São Paulo aplica álcool em gel nas mãos de cliente Imagem: Patricia Borges / Estadão Conteúdo

Por Isabel Versiani e Rodrigo Viga Gaier

08/10/2020 09h03Atualizada em 08/10/2020 13h27

BRASÍLIA/RIO DE JANEIRO (Reuters) - As vendas no varejo brasileiro avançaram 3,4% em agosto sobre o mês anterior, na série com ajuste sazonal, e atingiram o maior volume da série histórica do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), alavancadas pelo pagamento do auxílio emergencial, mostraram dados divulgados hoje.

O volume de vendas no varejo restrito, assim, ficou 2,6% acima do pico anterior, registrado em outubro de 2014.

Esse foi o quarto mês consecutivo de crescimento do varejo desde a queda de quase 17% registrada em abril sob o impacto das restrições à movimentação em meio à pandemia da covid-19. Sobre agosto do ano passado, a alta foi de 6,1%.

A expectativa em pesquisa da Reuters era de alta de 3,1% na comparação mensal em agosto e de avanço de 7% sobre um ano antes.

No ano, o volume de vendas seguem em queda, de 0,9%, e, em 12 meses, há alta acumulada de 0,5%.

Para o gerente da pesquisa mensal do comércio do IBGE, Cristiano Santos, o desempenho recente do varejo "tem muito a ver com o auxílio emergencial, que aumentou a renda das famílias de menor renda, e com juros mais baixos, que ampliaram a oferta de crédito".

"Isso influenciou no comportamento de sair do fundo do poço muito fundo para o topo do poço", afirmou a jornalistas. Segundo ele, em agosto o setor ficou 8,9% acima de fevereiro.

O comércio varejista ampliado, que inclui também veículos e materiais de construção, cresceu 4,6% sobre julho.

7 entre 10 atividades têm alta

Segundo o órgão, sete das dez atividades pesquisadas no varejo ampliado tiveram resultados positivos na comparação com julho, na série com ajuste sazonal. Os principais destaques foram tecidos, vestuário e calçados (+30,5%), outros artigos de uso pessoal e doméstico (+10,4%) e veículos e motos, partes e peça (+8,8%).

Na ponta oposta, houve forte queda nas vendas de livros, jornais, revistas e papelaria (-24,7%) e recuo também no grupo de artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos (-1,2%) e de hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo (-2,2%).

O economista Alberto Ramos, do banco Goldman Sachs, afirmou em nota a clientes que as vendas no varejo têm apresentado uma sólida recuperação desde abril, "apoiadas por grandes transferências de renda decorrentes de aumento de gasto fiscal e pelo relaxamento gradual dos protocolos de distanciamento social".

"No entanto, um quadro doméstico ainda muito complexo no que diz respeito ao vírus da Covid e a provável redução do estímulo fiscal antes do final do ano podem suavizar/enfraquecer o ritmo da recuperação", acrescentou.