PUBLICIDADE
IPCA
1,16 Set.2021
Topo

Ritmo de colheita de soja do Brasil vai se normalizar só em março, diz HedgePoint

28/01/2021 12h15

Por Roberto Samora

SÃO PAULO (Reuters) - A safra de soja do Brasil 2020/21 deve atingir recorde de cerca de 132 milhões de toneladas, mas o ritmo de colheita só vai se normalizar em março, após um atraso no plantio decorrente da falta de chuvas, apontou nesta quinta-feira a HedgePoint Global Markets.

Com o atraso na colheita no maior produtor e exportador mundial, os preços locais e os prêmios pela soja brasileira devem se manter firmes no próximo mês, disse a coordenadora de inteligência de mercado da HedgePoint, Thaís Carvalho Italiani, em webinar realizado pela Refinitiv.

Ela comentou que o Brasil colheu apenas 2% de sua safra até este momento, enquanto ao final de janeiro deveria ter colhido cerca de 10%, segundo a média histórica.

No ano passado, nesta época, o país tinha colhido 7% de uma produção projetada em 126 milhões de toneladas em 2019/20.

A HedgePoint Global Markets (ex-ED&F Man Capital Markets OTC) estima que em meados de fevereiro o Brasil terá colhido apenas 10% da safra, ante mais de 20% pela média histórica de cinco anos no período.

"Ao final da primeira semana de março estaremos com 50% da safra colhida", disse Thaís à Reuters, após o evento, ressaltando que no início de março fecha-se finalmente o "gap" do atraso.

Em 28 de fevereiro, pela média histórica, o Brasil tem quase 40% de sua safra colhida.

A analista comentou que o atraso na colheita deve acirrar a disputa por soja, uma vez que indústrias processadoras e exportadores lidam desde o final do ano passado com estoques baixos.

O atraso, disse ela, explica as baixas exportações previstas para janeiro deste ano, o que deve resultar em um maior volume em fevereiro.

Enquanto isso, a demanda por soja norte-americana por parte da China, maior importador global, segue forte, notou o chefe da área de grãos e algodão da HedgePoint Global Markets, Marcelo Lacerda, durante a webinar.

Ele destacou também os grandes compromissos de exportação dos EUA, enquanto o Brasil lida com o atraso na safra, o que deverá reduzir os estoques norte-americanos.

(Por Roberto Samora)

PUBLICIDADE