PUBLICIDADE
IPCA
+0,93 Mar.2021
Topo

Lucro da BR Distribuidora dispara no 4º tri; vendas aumentam sobre patamar pré-pandemia

Preços de combustíveis em posto da BR Distribuidora - Ricardo Moraes/Reuters
Preços de combustíveis em posto da BR Distribuidora Imagem: Ricardo Moraes/Reuters

Gabriel Araujo

Da Reuters, em São Paulo

09/03/2021 21h24

A BR Distribuidora registrou lucro líquido de R$ 3,148 bilhões no quarto trimestre de 2020, ante 96 milhões no mesmo período do ano anterior, apoiada por efeitos não recorrentes, enquanto as vendas do período subiram ante um patamar que tinham antes da pandemia da covid-19.

Segundo a companhia, maior distribuidora de combustíveis do país, o reconhecimento dos créditos do PIS/Cofins teve contribuição positiva de R$ 647 milhões no período, enquanto o ganho atuarial por uma mudança do plano de saúde atingiu R$ 2,13 bilhões, impulsionando o lucro.

Mesmo sem esses efeitos não recorrentes, destacou a BR, o resultado líquido trimestral "foi substancialmente maior que seu equivalente no quarto trimestre de 2019".

O lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) ajustado somou 1,6 bilhão de reais no último trimestre de 2020, alta de 70,6% na comparação anual, enquanto a receita líquida subiu 0,6%, a R$ 24,3 bilhões.

O volume de vendas, por sua vez, avançou 3,5% no período, para 10,278 bilhões de litros, em função do aumento das vendas no ciclo otto (+7,1%), diesel (+5,7%) e óleo combustível (+76,1%), que compensaram a queda no volume de vendas de querosene de aviação.

"Este foi o primeiro trimestre em que os volumes consolidados voltaram a apresentar crescimento em relação ao seu equivalente pré-pandemia", disse a distribuidora em comunicado.

Em termos anuais, a BR Distribuidora teve lucro líquido de R$ 3,9 bilhões em 2020, alta de 76,6%, enquanto o Ebitda ajustado totalizou R$ 3,811 bilhões, avanço de 21,7%.

O volume de vendas ao longo do ano passado, afetado pela pandemia de covid-19, recuou 8,5% frente ao registrado em 2019, somando 36,75 bilhões de litros.

"O ano de 2020 foi o primeiro ano completo desde a privatização da BR e, mesmo com todos os desafios impostos pela pandemia, conseguimos avançar rapidamente em nossa agenda de transformação", disse a empresa, que pretende se tornar "cada vez mais relevante nas áreas de energia, mobilidade e conveniência".

A BR Distribuidora fechou 2020 com dívida líquida de R$ 4,7 bilhões, alta de 6,3% no ano a ano, embora o indicador dívida líquida/Ebitda ajustado tenha recuado de 1,4 vez ao final de 2019 para 1,2 vez no último trimestre do ano passado.