PUBLICIDADE
IPCA
+0,83 Mai.2021
Topo

Minério de ferro tem maior queda semanal desde março na China

21/05/2021 09h29

Por Enrico Dela Cruz

(Reuters) - Os contratos referenciais do minério de ferro da Ásia caíram pela terceira sessão consecutiva nesta sexta-feira, rumo a uma segunda queda semanal seguida, com a maior produtora de aço global, a China, intensificando os esforços para esfriar uma forte recuperação dos preços das matérias-primas impulsionada pela demanda.

O minério de ferro mais negociado para entrega em setembro na bolsa de Dalian encerrou as negociações diurnas com queda de 3,4%, a 1.096,50 iuanes (170,48 dólares) a tonelada. A commodity caiu 5,4% até agora nesta semana, a queda mais acentuada desde meados de março.

O contrato de minério de ferro mais negociado na Bolsa de Cingapura caiu 4,8%, para 191,30 dólares a tonelada.

Os preços do aço na China recuaram em relação aos recordes da semana passada, puxando o minério de ferro e outros ingredientes da siderurgia para baixo, com as vendas se intensificando depois que o gabinete da China disse na quarta-feira que reduziria as altas de preços "irracionais" para proteger os consumidores.

Analistas, no entanto, dizem que a menos que a China tome medidas para limitar o consumo de commodities industriais, o que poderia dificultar sua sólida recuperação de uma queda provocada pela pandemia, o impacto das medidas nos preços até agora é temporário.

"Essas (agências governamentais chinesas) conseguiram alguma mudança fundamental ou estrutural na indústria, além de criar especulação desnecessária e volatilidade do mercado?" perguntou Atilla Widnell, diretor-gerente da Navigate Commodities, com sede em Cingapura.

"A resposta é não. Permitir que a mão invisível cuide de seus negócios teria sido a estratégia correta."

Apesar da pressão de venda do minério de ferro, os preços, principalmente dos materiais de alta qualidade, continuam elevados, com o preço à vista próximo a 250 dólares a tonelada, criando problemas para os produtores de aço.

Os preços devem permanecer altos no longo prazo, já que as regulamentações ambientais mais rígidas da China levaram a uma mudança para materiais de alta qualidade e menos poluentes, disse Kohji Takei, gerente da divisão de matérias-primas da Nippon Steel, a maior siderúrgica do Japão.