PUBLICIDADE
IPCA
1,25 Out.2021
Topo

Bolsonaro repete que governo não furará teto com auxílio, apesar de Guedes admitir manobra

Presidente Jair Bolsonaro (sem partido) contradiz ministro da Economia, Paulo Guedes sobre Auxílio Brasil - Mateus Bonomi/AGIF - Agência de Fotografia/Estadão Conteúdo
Presidente Jair Bolsonaro (sem partido) contradiz ministro da Economia, Paulo Guedes sobre Auxílio Brasil Imagem: Mateus Bonomi/AGIF - Agência de Fotografia/Estadão Conteúdo

Lisandra Paraguassu

21/10/2021 12h06Atualizada em 21/10/2021 12h49

Horas depois do ministro da Economia, Paulo Guedes, ter admitido formas de "contornar" o teto de gastos para permitir o pagamento de um benefício social de 400 reais, o presidente Jair Bolsonaro reiterou hoje que "ninguém está furando o teto", ao mesmo tempo que voltou a prometer o aumento do valor pago "com responsabilidade".

Em fala na noite de ontem, Guedes apresentou duas possibilidades para que se abra espaço no Orçamento para cumprir o que pede Bolsonaro: uma revisão antecipada do teto de gastos, que estava prevista apenas para quando a medida chegasse a 10 anos, em 2026, ou um "waiver" — uma licença para gastar fora do teto — de R$ 30 bilhões para cobrir a despesa até o final de 2022.

Nenhuma das duas opções agradou ao mercado financeiro. O índice Ibovespa opera em queda hoje e o dólar também seguia em trajetória de alta.

A declaração de Bolsonaro foi dada durante evento para inauguração de obra no interior da Paraíba, no qual ele fez um discurso em que reconheceu que a economia brasileira vive um momento difícil, ao mesmo tempo que fez a avaliação de que a economia do país é uma das que menos sofrem no mundo no final da pandemia de covid-19.

PUBLICIDADE