PUBLICIDADE
IPCA
1,06 Abr.2022
Topo

Dólar fecha abaixo de R$5,20 pela 1ª vez em cinco meses e mercado se protege contra risco de alta à frente

15/02/2022 17h13

Por José de Castro

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar renovou nesta terça-feira a mínima de fechamento em cerca de cinco meses, encerrando abaixo do piso psicológico de 5,20 reais, em um dia de apetite geral por ativos de risco em meio a uma trégua nas tensões geopolíticas globais.

Investidores reagiram bem a notícias de que a Rússia está retornando grupos de soldados a suas bases, afastando-os da fronteira próxima da Ucrânia, o que amenizou temores de uma iminente invasão de Moscou sobre o território do país vizinho. Esse receio vinha chacoalhando os mercados globais nos últimos dias.

O bom humor externo, porém, apenas reforçou o bom momento do real, que mesmo com os sobressaltos geopolíticos recentes se manteve em rota de apreciação.

O dólar à vista caiu 0,75%, a 5,1805 reais, menor valor desde 6 de setembro do ano passado (5,1764 reais). Na mínima intradiária, a cotação tocou 5,1661 reais.

Em fevereiro, o dólar já cai 2,36%, aprofundando as perdas no ano para 7,05%. Isso faz do real a moeda com melhor desempenho entre as principais desde o começo de 2022.

O Bank of America chamou a melhora das expectativas para a divisa brasileira de "conto do carry trade" --em referência ao aumento da taxa de retorno embutida em contratos de real na esteira da elevação da Selic a dois dígitos.

Pesquisa do banco norte-americano mostrou que gestores de fundos na América Latina melhoraram de forma sensível em fevereiro as visões acerca da moeda brasileira. A maioria (60%) dos respondentes da sondagem deste mês agora vê o dólar entre 5,11 reais e 5,40 reais ao fim do ano. Em janeiro, cerca de 55% dos entrevistados previam que a divisa ficaria 5,41 reais e 5,70 reais.

Mas com o dólar rompendo sucessivamente importantes suportes, alguns agentes começam a achar interessante recompor posições.

Os não residentes, por exemplo, compraram na segunda-feira cerca de 484 milhões de dólares (em termos líquidos) no somatório de contratos de dólar futuro, swap cambial e cupom cambial registrados na B3.

A movimentação no mercado de opções também mostra operadores comprando mais "calls" de dólar --contratos de opção que dão ao comprador direito de comprar a moeda a um preço pré-estabelecido. Assim, o comprador pode recorrer ao direito de exercer a opção num cenário em que o dólar recupera terreno.

Essa dinâmica é evidenciada pela oscilação de "risk reversal", que contrapõe opções de compra ("calls") e venda ("puts"). O risk reversal 25% Delta para um mês bateu nesta sessão e também na véspera o maior patamar desde setembro. Quanto mais alto, mais demanda por compra de dólar o mercado mostra.

Ao mesmo tempo, o índice de força relativa de 14 dias --uma medida de quão fora do padrão se mostram as oscilações de preço de um ativo-- está pouco abaixo de 28. Valores aquém de 30 indicam que um ativo --no caso, o dólar-- está excessivamente fraco, o que poderia estimular alguma correção para cima.