PUBLICIDADE
IPCA
1,06 Abr.2022
Topo

Produção e vendas de aço recuam no Brasil em janeiro, mas exportações disparam

16/02/2022 13h14

SÃO PAULO (Reuters) - A produção de aço bruto no Brasil em janeiro recuou junto com as vendas no mercado interno, na comparação com o mesmo período de 2021, informou nesta quarta-feira o Aço Brasil, entidade que reúne siderúrgicas instaladas no país.

O setor produziu em janeiro 2,88 milhões de toneladas de aço bruto, queda de 4,8% ante mesmo mês do ano passado, mas alta de 10,3% na comparação com o desempenho de dezembro.

"Como o mercado interno encontra-se plenamente abastecido, as empresas estão escoando parte de sua produção para o mercado internacional", afirmou o Aço Brasil em comunicado à imprensa.

Em 2021, o setor viveu um descompasso entre demanda e oferta por aço, com muitos clientes do setor siderúrgico tentando refazer estoques reduzidos pela queda da atividade econômica no país na sequência da pandemia, em março de 2020.

As vendas de aço de janeiro no Brasil despencaram 28% na comparação anual, a 1,4 milhão de toneladas. Mas ante dezembro, houve incremento de 1,5%, segundo os dados do Aço Brasil.

"Os dados apontam interrupção das quedas nas vendas ao mercado interno", disse a entidade. "As quedas (de vendas no Brasil) desde julho passado vinham ocorrendo com o fim do intenso processo de estocagem que ocorreu nos setores consumidores durante 2020 e grande parte de 2021", adicionou.

As exportações, enquanto isso, mais que dobraram sobre janeiro de 2021, para 1,215 milhão de toneladas. O movimento foi impulsionado por laminados planos, cujas vendas externas subiram de 57 mil para 247 mil toneladas. Os embarques de semiacabados, cujo mercado principal são os Estados Unidos, passaram de 436 mil para 842 mil toneladas, segundo o Aço Brasil.

As importações seguiram recuando, após forte incremento em 2021. Em janeiro, as compras de material produzido no exterior caíram cerca de 9% ano a ano, para 295,6 mil toneladas. Em dezembro, a importação somou 308,6 mil toneladas.

(Por Alberto Alerigi Jr.)