PUBLICIDADE
IPCA
1,06 Abr.2022
Topo

Americanas tenta restabelecer marketplace; Americanas.com volta a funcionar parcialmente

23/02/2022 10h19

SÃO PAULO (Reuters) -A Americanas informou nesta quarta-feira que segue trabalhando para restabelecer seus sistemas de comércio eletrônico depois de sofrer um ataque digital no final de semana que a obrigou a tomar a decisão de tirar seus principais sites de venda do ar.

Às 10h27, o site "americanas.com" estava disponível, mas exibia no topo da página a mensagem: "Estamos voltando de forma gradual, disponibilizando produtos e funcionalidades progressivamente, para que você possa comprar com segurança". No mesmo horário, o endereço "submarino.com.br" seguia indisponível.

"A Americanas está restabelecendo gradualmente e com segurança seus ambientes de e-commerce desde quarta-feira, suspensos em razão de incidente de segurança do qual foi vítima entre os dias 19 e 20 de fevereiro", afirmou a companhia em comunicado ao mercado nesta quarta-feira, sem dar detalhes sobre o custo do ataque ou previsão de quando o marketplace será totalmente restabelecido.

A companhia teve no primeiro trimestre do ano passado vendas online de 5,594 bilhões de reais, correspondendo a uma média por dia 62,2 milhões de reais. A operação de marketplace da Americanas foi responsável por 64,4% das vendas brutas no primeiro trimestre de 2021.

"Não há evidência de comprometimento das bases de dados. As equipes continuam mobilizadas, com todos os protocolos de segurança, e atuarão para a retomada integral no mais curto espaço de tempo", acrescentou a companhia.

A ação da Americanas disparava nesta quarta-feira, avançando 7,7% às 10h51. No mesmo horário, o Ibovespa subia 0,7%. Na véspera, terceiro dia de operação online comprometida, a ação da empresa fechou em queda de 5,4%. Na segunda-feira, a perda foi de 6,6%.

Em comunicado nesta quarta-feira, a agência de classificação de risco Fitch afirmou que após a suspensão do marketplace por três dias "algum dano reputacional é uma possibilidade".

A agência comentou ainda que a liquidez da Americanas é forte, "o que pode suportar eventuais pressões temporárias sobre suas vendas".

(Por Alberto Alerigi Jr.; edição André Romani)