PUBLICIDADE
IPCA
-0,68 Jul.2022
Topo

Preços do petróleo fecham em baixa antes de potencial aumento de juros nos EUA

14/07/2022 18h41

Por Laura Sanicola

NOVA YORK (Reuters) - Os preços do petróleo caíram nesta quinta-feira, mas reduziram quase todas as perdas depois de uma queda de mais de 4 dólares no início da sessão, com os investidores focados na perspectiva de um grande aumento da taxa de juros nos Estados Unidos no final deste mês, que poderia conter a inflação mas ao mesmo tempo afetar a demanda por petróleo.

Os futuros de petróleo Brent para setembro caíram 47 centavos, ou 0,5%, para 99,10 dólares o barril e terminaram a terceira sessão consecutiva abaixo de 100 dólares.

O petróleo bruto WTI, dos EUA, para entrega em agosto caiu 95,78 dólares por barril, ou 0,5%, uma queda de 52 centavos.

Ambos os contratos atingiram mínimas na quinta-feira, abaixo do fechamento de 23 de fevereiro, um dia antes de a Rússia invadir a Ucrânia, com o Brent atingindo seu nível mais baixo desde 21 de fevereiro.

O Federal Reserve dos EUA está intensificando sua batalha contra a inflação mais alta em 40 anos, com um aumento de 100 pontos-base na taxa este mês, depois que um relatório de inflação sombrio mostrou que as pressões sobre os preços estão acelerando. A reunião de política do Fed está marcada para os dias 26 e 27 de julho.

Espera-se que o aumento da taxa do Fed siga um movimento semelhante do Banco do Canadá, que surpreendeu o mercado na quarta-feira.

"Os movimentos do Fed terão um impacto descomunal no mercado à medida que os vemos tentar digerir novos dados econômicos sobre a inflação", disse John Kilduff, sócio da Again Capital LLC em Nova York.

Os preços do petróleo caíram nas últimas duas semanas devido a preocupações com a recessão, apesar da queda nas exportações de petróleo bruto e produtos refinados da Rússia em meio a sanções ocidentais e interrupções no fornecimento na Líbia.

As preocupações com as restrições do COVID-19 em várias cidades chinesas para conter novos casos de uma subvariante altamente infecciosa também mantiveram os preços do petróleo sob controle.

(Reportagem de Laura Sanicola em Nova York; reportagem adicional de Julia Payne em Londres e Florence Tan em Cingapura)