PUBLICIDADE
IPCA
-0,68 Jul.2022
Topo

Boeing busca esquentar negócios na Farnborough Airshow, em meio a um calor recorde

17/07/2022 15h56

Por Tim Hepher e David Shepardson

(Reuters) - A Boeing tentará fortalecer seus problemáticos jatos 737 MAX 10 e 777X com pedidos oficialmente avaliados em 15 bilhões de dólares da Delta Air Lines e Lufthansa esta semana, no momento em que a indústria aeroespacial se prepara para um calor sufocante em seu maior evento desde o começo da pandemia de Covid-19.

Fontes da indústria dizem que a fabricante norte-americana de aeronaves, sofrendo para manter seu duopólio com europeia Airbus, agiria cedo na Farnborough Airshow, que abre na segunda-feira, após meses de negociações para vender seu maior jato de corredor único para a Delta.

A Reuters noticiou pela primeira vez em março que a Delta estava discutindo um pedido de 100 aviões MAX 10, e publicou semana passada que a companhia aérea também negociava para um pedido de cerca de 12 Airbus A220s, em um acordo que deve ser anunciado na próxima terça-feira.

A alemã Lufthansa deve fechar um acordo para cerca de 10 grandes cargueiros Boeing, incluindo sete da versão de carga recentemente lançada do 777X, disseram fontes.

Nenhum dos envolvidos fez comentários antes da feira, que deve ser realizada apesar de um alerta de emergência climática no Reino Unido e acesso ferroviário restrito por causa de uma previsão recorde de temperatura.

Enquanto o Reino Unido derrete, as empresas aeroespaciais farão o seu melhor para mostrar que a demanda civil está intacta, após a pior crise da sua história. Aumento de gastos em defesa também estará no foco, com a indústria se reunindo sob a sombra da guerra na Ucrânia.

A Boeing divulgou previsões amplamente estáveis para aviões civis neste domingo.

Mesmo assim, muitos dos acordos serão provisórios ou assinaturas formais de negócios que já estão em andamento, e praticamente todos serão apresentados como contribuições para emissões menores, apoiando o objetivo de zerar emissões até 2050, dizem delegados.

A EasyJet quer garantir aprovação dos acionistas para um acordo recente por 56 Airbus A320neos.

A LOT, da Polônia, está estudando propostas de fornecedoras da Boeing e da Embraer, e também da Airbus e empresas de motores, mas não tomará uma decisão na exibição, disse uma pessoa próxima das negociações, negando uma informação de que a companhia aérea já havia escolhido a Airbus.

Mas a maior parte da atenção estará focada no MAX 10 e no 777X que a Boeing planeja colocar no ar em uma exibição mais modesta na Farnborough.

Os dois modelos geram muita dor de cabeça, conforme a Boeing luta com problemas regulatórios, depois da crise de segurança de dois anos motivada por acidentes de um MAX menor.  

(Reportagem de Tim Hepher, David Shepardson, Paul Sandle)