IPCA
0,42 Mar.2024
Topo

Ibovespa recua com varejo entre maiores perdas; Petrobras sobe

03/04/2023 11h26

Por Paula Arend Laier

SÃO PAULO (Reuters) - O Ibovespa recuava nesta segunda-feira, com as ações de varejo entre os destaques negativos, entre elas Via, que anunciou a renúncia do presidente-executivo, enquanto petrolíferas avançavam na esteira da forte alta do preço do petróleo no exterior.

Às 11:01, o Ibovespa caía 0,97%, a 100.890,54 pontos. O volume financeiro somava 4,8 bilhões de reais.

Investidores também começam abril contrabalançando o que o BTG Pactual chamou de um ambiente "turvo" para investimentos, principalmente no Brasil, com preços considerados baratos, após o Ibovespa acumular perdas nos dois meses anteriores (-10,2%).

Além disso, conforme acrescentou o BTG, ainda que o novo arcabouço fiscal não seja o ideal, "temos agora as diretrizes de uma regra que pode ser vista como um primeiro passo para a responsabilidade fiscal", segundo relatório a clientes.

No exterior, Wall Street trabalhava no vermelho, com a disparada do petróleo trazendo de volta as preocupações com a inflação, reforçando as apostas de que o Federal Reserve entregará outro aumento na taxa de juros em sua próxima reunião.

A B3 divulgou nesta segunda-feira a primeira prévia do Ibovespa que irá vigorar a partir de maio, que mostrou a volta da ação do IRB Brasil e a saída dos papéis do Banco Pan e da Ecorodovias.

DESTAQUES

- VIA ON cedia 7,45%, a 1,74 real, em dia negativo para o setor de varejo como um todo. A dona das redes Ponto e Casas Bahia anunciou na última sexta-feira a renúncia o presidente-executivo Roberto Fulcherberguer. O executivo será substituído por Renato Horta Franklin, atualmente na Movida, partir de 1º de maio. MOVIDA ON, que não está no Ibovespa, caía 4,7%. Na última sexta-feira, o conselho de administração da Movida aprovou Gustavo Moscatelli para o cargo de prpresidente-executivodente-executivo interino. Franklin ficará na Movida até 30 de abril, participando nesse período do processo de transição.

- PETROBRAS PN avançava 3,07%, a 24,17 reais, endossada pelo movimento dos preços do petróleo no exterior, com o barril de Brent em alta de 6,5%, a 85,08 dólares. A Organização dos Países Exportadores de Petróleo e seus aliados, incluindo a Rússia, sacudiram os mercados ao anunciar cortes extras na produção de cerca de 1,16 milhão de barris por dia (bpd) no domingo. Esperava-se que a Opep+ mantivesse decisão anterior de cortar a produção em 2 milhões de bpd até dezembro em sua reunião mensal nesta segunda-feira. PRIO ON ganhava 4,52%. 3R PETROLEUM ON valorizava-se 4,38%.

- CIELO ON mostrava declínio de 5,98%, a 4,56 reais. Analistas do Itaú BBA cortaram a recomendação da ação para "market perform", bem como reduziram o preço-alvo de 5,80 para 5,40 reais. Os analistas citaram que o enfraquecimento no consumo provavelmente tornará a próxima rodada de precificação muito mais complicada para a empresa. Também afirmaram não ver benefícios relevantes nos volumes ou taxas de pré-pagamento dos mercados de crédito corporativo mais difíceis.

- VALE ON recuava 0,44%, a 79,94 reais, em meio à queda dos futuros do minério de ferro na China, reflexo de receios com uma nova intervenção do governo no mercado após o rali da semana passada. O contrato mais negociado na Dalian Commodity Exchange (DCE) encerrou as negociações diurnas com queda de 2,04%, a 890,5 iuanes (129,27 dólares) a tonelada, após um salto de quase 5% na semana passada. Rumores no mercado dizem que a Comissão Nacional de Desenvolvimento e Reforma da China (NDRC) se reuniu com várias empresas que operam contratos futuros em Pequim nesta segunda-feira para discutir os preços no mercado de minério de ferro após forte alta na semana passada, disseram analistas.

- HAPVIDA ON perdia 3,44%, a 2,53 reais. O grupo de serviços de saúde publicou no final da noite do domingo edital de oferta pública primária que pode levantar até 1 bilhão de reais considerando lote adicional de ações e o preço de fechamento do papel na sexta-feira, em estratégia para reforçar sua estrutura de capital. A companhia há havia sinalizado na semana passada sobre uma potencial oferta de ações. A fixação do preço está prevista para 12 de abril.

- LOJAS RENNER ON recuava 6,52%, a 15,49 reais, e GRUPO SOMA ON perdia 7,89%, a 7,47 reais, tendo como pano de fundo o resultado trimetral da Marisa, que mostrou prejuízo líquido de 188,6 milhões de reais nos últimos três meses de 2022, em pertrimestralado por queda na receita líquida e aumento das despesas financeiras líquidas. MARISA ON, que não está no Ibovespa, caía 6,25%.

MÉLIUZ ON subia 0,99%, a 1,02 real, após chegar a um acordo sobre a estrutura final da venda da fintech Bankly ao banco BV. A empresa, que presta serviços de cashback e fidelização de clientes, entre outros, afirmou que a venda do Bankly e de até 100% da Acessopar, subsidiária que detém 52,19% da fintech, será realizada com base em uma avaliação de 210 milhões de reais, valor que já havia sido divulgado.

- FERILIZANTES HERINGER ON despencava 18,91%, a 14,19 reais, pior desempenho do Small Caps, após a Eurochem, controladora indireta da companhia, desistir de oferta de ações de aquisição para cancelamento do registro e saída do mercado, optando apenas por registrar exclusivamente uma OPA para alienação do controle. O preço por ação nesse modelo ficou em uma parcela inicial de 12,96 reais e eventual valor adicioanl a ser pago aos antigos controladores.

- SANTOS BRASIL ON, que não faz parte do Ibovespa, avançava 4,8%, a 8,51 reais, após anunciar acordo comercial com a Maersk para a prestação de serviços portuários no Tecon Santos, válido para todas as subsidiárias e afiliadas, que operam sob marcas diversas, entre elas Hamburg Süd, Maersk Line, Aliança, Safmarine, Sealand. A companhia também divulgou projeção de Ebitda e 1 bilhão a 1,2 bilhão de reais para 2023, assim como de volume de movimentação de cais de 1.200.000 a 1.400.000 contêineres e investimentos de 500 milhões a 650 milhões de reais neste ano.

- WESTWING ON desabava 11,86%, a 1,04 real, no primeiro pregão após divulgar prejuízo líquido de 24,6 milhões de reais no quarto trimestre, com queda em receita líquida e também nas vendas sob a métrica GMV. O número de compradores ativos caiu 21,1%.