IPCA
0,42 Fev.2024
Topo

Bullard descarta discussão sobre recessão e defende mais aumentos de juros pelo Fed

18/04/2023 10h21

Por Howard Schneider

ST. LOUIS, EUA (Reuters) - O banco central dos Estados Unidos deveria continuar elevando a taxa de juros com base em dados recentes mostrando que a inflação continua persistente, enquanto a economia em geral deve continuar crescendo, mesmo que lentamente, disse o presidente do Federal Reserve de St. Louis, James Bullard.

Em comentários contrariando as opiniões de que os EUA estão caminhando para uma crise bancária, uma recessão ou ambas em um futuro próximo, Bullard disse à Reuters em uma entrevista: "Wall Street está muito engajado na ideia de que haverá uma recessão em seis meses ou algo assim , mas não é assim que você leria uma expansão como esta."

Os investidores podem ver cortes de juros pelo Fed no futuro próximo, parte de uma visão global de acomodação e recessão, mas "o mercado de trabalho parece muito, muito forte. E a sabedoria convencional é que se você tem um mercado de trabalho forte que alimenta um consumo forte... e isso é uma grande parte da economia... não parece ser o momento de prever que haverá uma recessão no segundo semestre de 2023", disse ele.

Apesar da atual taxa de desemprego de 3,5%, a equipe do Fed na reunião de política monetária do banco central de 21 e 22 de março disse que também antecipa uma "recessão leve" este ano, enquanto os colegas de Bullard apontaram uma perspectiva econômica que indica crescimento zero ou contração por grande parte do restante do ano após um primeiro trimestre relativamente forte.

No caso da previsão da equipe, as consequências do recente estresse no setor bancário pareciam fazer pesar na balança.

Mas se duas falências de bancos norte-americanos no mês passado fossem desencadear uma crise, disse Bullard, isso provavelmente apareceria em coisas como o índice de estresse financeiro do Fed de St. Louis. O índice disparou após o colapso de 10 de março do Silicon Valley Bank, mas rapidamente voltou a uma leitura normal.

"Se fosse realmente haver uma grande crise financeira com isso, esse índice subiria para quatro ou cinco. É zero agora. Portanto, não parece, neste momento, que muita coisa esteja acontecendo", disse Bullard.

TAXA TERMINAL MAIS ALTA

As declarações de Bullard destacam o lado agressivo de um debate em andamento no Fed sobre como calibrar as etapas finais de um ciclo historicamente rápido de alta de juros contra as evidências de que a inflação subjacente não está caindo muito rapidamente em direção à meta de 2% do banco central, e sinaliza que a economia está desacelerando sob o peso dos aumentos de juros aprovados até agora.

A maior parte das autoridades do Fed sentiu em março que mais um aumento dos juros, o que elevaria a taxa de juros de referência para uma faixa entre 5,00% e 5,25%, era tudo o que seria necessário. Isso pode ocorrer na reunião do Fed de 2 a 3 de maio.

Embora concordando que o ciclo de aperto pode estar próximo da linha de chegada, Bullard acredita que a taxa de juros precisará subir mais 0,5 ponto percentual além desse nível, para entre 5,50% e 5,75%.

Algumas autoridades e analistas temem que sejam essas etapas finais que possam levar a economia a uma recessão. E além da decisão de aumento da taxa no próximo mês, o Fed terá que enviar algum sinal sobre o que acontecerá a seguir - se deve manter o texto no comunicado atual de que "algum endurecimento adicional da política pode ser apropriado" ou apontar para uma pausa.