IPCA
0,42 Fev.2024
Topo

Banqueiros do Credit Suisse lutam para manter empregos no UBS, dizem fontes

20/04/2023 11h13

Por Julie Zhu e Valentina Za e Scott Murdoch e Amy-Jo Crowley

HONG KONG/LONDRES (Reuters) - Os negociadores do Credit Suisse, na esperança de garantir seus empregos após a aquisição de resgate pelo UBS, estão lutando para dissipar temores sobre um choque cultural e muitos ficarão desapontados, disseram fontes familiarizadas com as negociações à Reuters.

Os banqueiros do UBS têm se reunido nas últimas semanas com seus pares do Credit Suisse nos maiores centros financeiros do mundo, para avançar rapidamente em potenciais novos empregos assim que a fusão for concluída, disseram quatro fontes com conhecimento das negociações.

Apenas um número muito pequeno de banqueiros seniores do Credit Suisse que têm fortes relacionamentos com clientes será contratado, disse uma das pessoas, após discussões iniciais descritas por outra fonte como "brutais".

As entrevistas formais ocorrerão assim que o negócio for concluído, disseram duas fontes.

UBS e Credit Suisse se recusaram a comentar.

CONFLITO DE CULTURA

Nos últimos anos, o Credit Suisse participou de negócios que o UBS considerava mais arriscados, ilustrativos de uma cultura e uma forma de lidar com os negócios que podem colidir com os do UBS, disse uma fonte.

Além do mais, o UBS não tende a emprestar para clientes potenciais como o Credit Suisse fez várias vezes, em movimento que poderá persuadir alguns clientes. Isso torna mais difícil para os banqueiros serem tão bem-sucedidos se mudarem para o UBS, disseram duas das fontes.

"Há claramente partes do Credit Suisse que tiveram uma cultura ruim", disse o presidente do UBS, Colm Kelleher, a repórteres em 29 de março. "Principalmente, com foco no banco de investimento...Precisamos colocar todos em um filtro de cultura para garantir que não importemos algo para o ecossistema que cause problemas."

Como parte dos planos para o banco de investimento reformulado, o UBS também está considerando abrir mão de seus próprios banqueiros de baixo desempenho ao contratar os de melhor desempenho do Credit Suisse, disseram duas das pessoas.

Falando com analistas em 19 de março, os executivos do UBS disseram esperar que o acordo traga 8 bilhões de dólares em reduções de custos até 2027, 6 bilhões de dólares dos quais viriam do corte no número de funcionários em tempo integral nas operações das empresas.

O Credit Suisse emprega cerca de 17 mil funcionários em suas operações de banco de investimento e trading, de acordo com reportagens da mídia, enquanto o UBS tem menos funcionários, disse uma das fontes. Os bancos não publicam os números.

O UBS está correndo para concluir a aquisição até o final de abril.

(Por Julie Zhe, Valentina Za, Scott Murdoch e Amy-Jo Crowley; reportagem adicional de Stefania Spezzati e Noele Illien)