IPCA
0,42 Fev.2024
Topo

Reguladores financeiros dos EUA vão endurecer regras sobre empresas não bancárias, avaliação de risco

21/04/2023 17h01

Por David Lawder

WASHINGTON (Reuters) - O Conselho de Supervisão de Estabilidade Financeira (FSOC, na sigla em inglês) propôs nesta sexta-feira diretrizes para facilitar a designação de instituições financeiras não bancárias para supervisão regulatória e novos procedimentos para melhor identificar e responder aos riscos do sistema financeiro.

O conselho multirregulador encarregado de supervisionar os riscos de estabilidade no sistema financeiro divulgou as propostas para contribuições públicas pouco mais de um mês depois que duas falências de bancos regionais provocaram a maior ameaça de contágio desde a crise financeira de 2008.

A secretária do Tesouro dos EUA, Janet Yellen, levantou preocupações sobre instituições financeiras não bancárias, incluindo fundos de hedge, empresas de private equity e fundos de pensão como uma fonte potencial de instabilidade financeira devido à falta de supervisão.

Ela disse em comentários à reunião do conselho que o sistema bancário permanece sólido, mas "continuamos vigilantes e monitoramos as condições de perto".

Mas a turbulência do setor bancário mostrou que o trabalho dos reguladores financeiros "não está concluído" e que mudanças regulatórias e de supervisão são necessárias "para ajudar a evitar que as perturbações financeiras comecem e se espalhem", disse Yellen.

O FSOC --presidido por Yellen e que inclui o chair do Federal Reserve, Jerome Powell, e os chefes de outros importantes reguladores financeiros-- recebeu a capacidade de designar empresas não bancárias como sistemicamente importantes, mas isso ficou mais difícil em 2019 com as mudanças feitas sob o governo Trump.

Yellen disse que a nova diretriz remove alguns "obstáculos inapropriados" para designar empresas não bancárias, fazendo com que o processo leve até seis anos.

Estes serão substituídos por um processo de análise quantitativa e qualitativa sob o qual o conselho determina se "as dificuldades financeiras materiais da empresa ou as atividades da empresa podem representar uma ameaça à estabilidade financeira dos EUA", disse uma autoridade do Tesouro.

A nova diretriz elimina os requisitos de que o FSOC considere a probabilidade de problemas de uma empresa e conduza uma análise de custo-benefício de cada designação. Mas permite comunicação e engajamento substanciais com empresas sob revisão para designações.

A nova orientação é uma "melhoria substancial. Tem atributos importantes de ser clara, crível, equilibrada e consistente", disse o presidente da Administração Nacional da Cooperativa de Crédito, Todd Harper.

Uma autoridade do Tesouro dos EUA disse a repórteres, no entanto, que a nova diretriz não é um retorno total às regras originais de 2012 estabelecidas pela lei de reforma financeira Dodd-Frank.

(Reportagem de David Lawder)