IPCA
0,83 Mai.2024
Topo

Fed eleva juros em 0,25 p.p. e sinaliza possível pausa no ciclo de aperto monetário

03/05/2023 15h12

Por Howard Schneider e Ann Saphir

WASHINGTON (Reuters) - O Federal Reserve elevou nesta quarta-feira a taxa de juros em 0,25 ponto percentual e sinalizou que deve pausar os aumentos, dando tempo às autoridades para avaliar as consequências das recentes falências de bancos, aguardar a resolução de um impasse político sobre o teto da dívida dos Estados Unidos e monitorar o curso da inflação.

A medida marca uma nova etapa de sua gestão da recuperação da pandemia de Covid-19, com o que pode ser o aumento final da taxa básica de juros e maior atenção aos riscos enfrentados pela economia. A decisão unânime elevou a taxa de juros de referência do banco central dos EUA para a faixa de 5,00% a 5,25%, no décimo aumento consecutivo do Fed desde março de 2022.

Em uma mudança evidente, o banco central não diz mais que “antecipa” que novas elevações de juros serão necessárias, apenas que observará os dados recebidos para determinar se mais aumentos “podem ser apropriados”.

A mudança lembrou a linguagem usada quando o banco central interrompeu os aumentos de juros em 2006, que diz que "para determinar até que ponto um aperto adicional da política monetária pode ser apropriado" as autoridades estudarão como a economia, a inflação e mercados financeiros se comportam nas próximas semanas e meses.

A nova redação não garante que o Fed manterá os custos de empréstimos estáveis ​​em sua próxima reunião de política monetária em junho, e o comunicado destacou que "a inflação permanece elevada" e os ganhos de empregos ainda "estão em ritmo robusto".

Na conferência de imprensa após a divulgação da decisão sobre os juros, o chair Jerome Powell disse que o Fed ainda vê a inflação como muito elevada e que as altas pressões de preços continuam a ser motivo de preocupação para o banco central.

Por causa disso, Powell disse que é muito cedo para dizer que o ciclo de aumento dos custos de empréstimos acabou. "Estamos preparados para fazer mais" com incrementos de juros, se necessário, e as autoridades não decidiram na reunião pausar os aumentos na reunião de junho, e o que acontece a seguir com os custos de empréstimos é uma decisão que as autoridades tomarão em uma abordagem "reunião a reunião", disse Powell.

Mas os juros do Fed estão agora praticamente no mesmo nível em que estavam às vésperas da crise financeira de 16 anos atrás, e no patamar que uma série de autoridades do banco central projetou, em março, que seria adequado para levar a taxa de inflação de volta à meta de 2% do Fed --atualmente a taxa é mais que o dobro.

O crescimento econômico continua modesto, mas "os desdobramentos recentes provavelmente resultarão em condições de crédito mais restritivas para famílias e empresas e pesarão na atividade econômica, nas contratações e na inflação", disse o Fed.

Os riscos em torno das recentes falências de vários bancos dos EUA e do impasse sobre o limite da dívida entre os republicanos no Congresso norte-americano e o presidente democrata Joe Biden ampliaram o senso de cautela do Fed sobre tentar apertar mais as condições financeiras.

A mudança se refletiu nos preços futuros das taxas de juros dos EUA, que mostraram amplas expectativas de nenhum aumento em nenhuma das próximas duas reuniões do Fed.

As ações dos EUA mantinham ganhos modestos, enquanto os rendimentos dos Treasuries permaneciam mais baixos na sessão. O dólar enfraquecia em relação a uma cesta de moedas de parceiros comerciais.

"Para mim, a chave foi a mudança de uma única palavra, dizendo que eles acreditam que determinarão se futuros aumentos são necessários, enquanto da última vez eles disseram que estão antecipando que novos aumentos de juros serão necessários", disse Sam Stovall, estrategista-chefe de investimentos da CFRA Research em Nova York.

"Com a palavra 'determinar' no lugar de 'antecipar', estão essencialmente dizendo aos mercados que o Fed está agora em pausa."