Ibovespa avança com aéreas em destaque antes de Fed e Copom

Por Paula Arend Laier

SÃO PAULO (Reuters) - O Ibovespa avançava nesta quarta-feira, experimentando uma trégua nas vendas após três pregões seguidos de quedas, enquanto agentes financeiros aguardam o desfecho da reunião do Federal Reserve à tarde, quando sinais sobre os próximos passos banco central norte-americano podem ser emitidos.

Às 11:46, o Ibovespa subia 1%, a 119.026,97 pontos. O volume financeiro somava 5,1 bilhões de reais.

"A sessão de hoje é importantíssima para os movimentos de curto e médio prazos nos mercados globais, tendo como principal gatilho a decisão norte-americana de política monetária", disse a corretora Commcor, ressaltando que o foco está no comunicado, dada a previsão de que os juros sigam de faixa de 5,25% a 5,50%.

Além do comunicado, o anúncio da decisão às 15h (horário de Brasília) virá acompanhado de projeções econômicas do Fed. A partir das 15h30, os holofotes serão direcionados à entrevista coletiva do chair do BC norte-americano, Jerome Powell.

Após o fechamento, o BC brasileiro anuncia sua decisão de política monetária, e as atenções também estarão voltadas para as indicações do Comitê de Política Monetária (Copom) referentes à trajetória da Selic à frente. A previsão é de que a taxa seja reduzida a 12,75% dos atuais 13,25% ao ano.

Na visão da equipe da Commcor, qualquer decisão diferente de manutenção de juros pelo Fed e corte de 0,50 ponto percentual pelo Copom "promete profundos ajustes no mercado".

DESTAQUES

- AZUL PN disparava 12,05%, em dia de recuperação no setor de viagens na bolsa. O Goldman Sachs elevou a recomendação para os papéis da Azul para "compra", afirmando enxergar "uma assimetria positiva entre a expansão do Ebitda (prevista) em 2024 juntamente com um valuation pouco exigente". O preço-alvo passou de 24,30 para 29,90 reais. No caso de Gol, a recomendação "neutra" foi mantida, mas o preço-alvo caiu de 11,50 para 7,60 reais. Ainda assim, GOL PN saltava 8,28%. CVC BRASIL ON tinha elevação de 7,62%. Até a véspera, esses papéis acumulavam em setembro quedas respectivas de 6,6%, 9% e 10,08%.

Continua após a publicidade

- SUZANO ON avançava 3,20%, após anúncio de que elevará preços de celulose em todos os seus mercados partir de outubro. Para a Ásia, incluindo China, o aumento é de 30 dólares por tonelada e para Europa e Estados Unidos de 50 dólares por tonelada. KLABIN UNIT subia 2,49%.

- BRASKEM PNA recuava 5,63%, tendo no radar relatório do BTG Pactual cortando a recomendação dos papéis para "neutra", destacando que o crescimento da demanda está ligeiramente abaixo das suas expectativas, mas que a expansão da oferta mais do que compensou essa situação e o mercado agora está com excesso de oferta. Os analistas também citaram que os spreads da Braskem não se recuperaram e o segundo semestre pode ser ainda mais fraco do que a primeira metade do ano.

- VALE ON subia 0,8%, favorecida pelo movimento dos contratos futuros do minério de ferro na Ásia, conforme sinais de estabilização econômica na China ajudaram a compensar as preocupações com o setor imobiliário em dificuldades no maior produtor de aço do mundo. O vencimento mais negociado na Bolsa de Mercadorias de Dalian, na China, encerrou as negociações do dia com alta de 0,5%, a 873,50 iuans (119,69 dólares) por tonelada. Em Cingapura, o contrato de referência subiu 1,4%.

- ITAÚ UNIBANCO PN valorizava-se 1,55%, enquanto BRADESCO PN tinha um acréscimo de 0,47%. No setor financeiro, B3 ON avançava 2,17%, também ajudando na recuperação do Ibovespa.

- PETROBRAS PN registrava alta de 0,64%, apesar da queda dos preços do petróleo no exterior, onde o barril de Brent cedia 0,21%.

- ASSAÍ ON recuava 1%, em sessão negativa para o setor de varejo alimentar no Ibovespa, com GPA ON caindo 1,98% e CARREFOUR BRASIL ON perdendo 0,64%.

Deixe seu comentário

Só para assinantes