Crescimento do PIB da China deve desacelerar para 4,4% no 3º tri em meio a problemas, aponta pesquisa

Por Kevin Yao

PEQUIM (Reuters) - A economia da China provavelmente desacelerou no terceiro trimestre, uma vez que a demanda interna e externa recuou, mas o maior apoio do governo significa que Pequim ainda pode ser capaz de atingir sua meta de crescimento para o ano inteiro.

O Produto Interno Bruto (PIB) deve ter crescido 4,4% entre julho e setembro em relação ao ano anterior, desacelerando em relação ao ritmo de 6,3% no segundo trimestre, de acordo com a previsão mediana de 60 economistas consultados pela Reuters.

A segunda maior economia do mundo começou a ter problemas no segundo trimestre, após uma breve recuperação pós-Covid, arrastada por uma queda no setor imobiliário e uma enorme dívida devido a décadas de gastos com infraestrutura.

No entanto, os dados econômicos recentes mostraram alguns sinais de estabilização após uma enxurrada de medidas econômicas modestas, enquanto os economistas acreditam que é necessário mais apoio para manter o crescimento nos trilhos.

Os dados divulgados na sexta-feira mostraram que as exportações e importações continuaram a cair, embora em um ritmo mais lento. E, embora os empréstimos bancários tenham aumentado, as pressões deflacionárias persistentes enfatizaram os desafios que as autoridades enfrentam na tentativa de reanimar a atividade.

Na comparação trimestral, a previsão é de que o PIB cresça 1,0% no terceiro trimestre, em comparação com o crescimento de 0,8% entre abril e junho, segundo a pesquisa.

A pesquisa da Reuters de 9 a 16 de outubro previu que a economia cresceria 5,0% neste ano, em linha com uma pesquisa de setembro e com a própria meta de Pequim, mas abaixo dos 5,5% previstos em uma pesquisa de julho. A previsão era de que o crescimento diminuísse para 4,5% em 2024.

Os analistas reduziram várias vezes suas perspectivas de crescimento para a China neste ano.

Continua após a publicidade

A economia chinesa cresceu apenas 3% no ano passado devido às restrições impostas pela Covid-19, ficando muito aquém da meta oficial.

Pequim pode aumentar o estímulo fiscal para colocar a atividade em uma base mais sólida, embora o impacto possa não ser sentido até 2024, disseram analistas.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes