Ford reduz investimento em fábrica de baterias de EVs em Michigan

Por Joseph White

DETROIT (Reuters) - A Ford reduzirá o investimento, a capacidade e o número de empregos planejados para uma fábrica de baterias de veículos elétricos (EV) em Michigan, que atraiu críticas de parlamentares dos Estados Unidos pelo uso de tecnologia fornecida pela fabricante chinesa de baterias CATL, informou a montadora nesta terça-feira.

A Ford disse que reiniciará a construção da fábrica perto da cidade de Marshall após uma pausa há dois meses.

A montadora planeja começar a produzir baterias de lítio-ferro até 2026, com base em tecnologia licenciada pela CATL. A Ford será proprietária da fábrica e concordou em dar ao sindicato United Auto Workers a oportunidade de organizar os trabalhadores da unidade.

Os laços da empresa com a CATL atraíram críticas dos parlamentares dos EUA, que se opõem ao fluxo de subsídios de veículos elétricos do país para uma entidade chinesa.

A Ford está pressionando para que o Departamento do Tesouro dos EUA aprove baterias de lítio-ferro, ou LFP, fabricadas na planta de Michigan, para se qualificarem para subsídios de EV da Lei de Redução da Inflação (IRA, na sigla em inglês). A Ford já está usando baterias LFP importadas em seu SUV elétrico Mustang Mach-E.

“Estamos confiantes em termos dos benefícios do IRA”, disse o porta-voz da Ford, Mark Truby, a repórteres em teleconferência nesta terça-feira.

A Ford disse que estava reduzindo seus planos originais de gastar 3,5 bilhões de dólares para tornar o Blue Oval Battery Park Michigan grande o suficiente para produzir 35 gigawatts-hora de baterias anualmente e empregar cerca de 2.500 pessoas.

A Ford agora planeja reduzir a capacidade da fábrica de baterias de Michigan para 20 gigawatts-hora e reduzir as contratações para 1.700 empregos.

Continua após a publicidade

O investimento (capex) da Ford também será reduzido, disse Truby, sem fornecer um número exato. Ele indicou que o investimento total será proporcional à redução de 40% na capacidade. Isso indica um novo montante de cerca de 2 bilhões de dólares.

A Ford disse em outubro que cortaria os investimentos futuros em veículos elétricos em 12 bilhões de dólares em comparação com os planos anteriores. A empresa já adiou a construção de uma fábrica de baterias em Kentucky e outra na Turquia.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes