Petróleo cai mais de 2% após cortes na produção aquém das expectativas pela Opep+

(Reuters) - Os preços do petróleo caíram mais de 2% nesta quinta-feira, depois que os produtores da Opep+ concordaram com cortes voluntários na produção de petróleo para o primeiro trimestre do próximo ano que ficaram aquém das expectativas do mercado.

Os futuros do petróleo Brent para janeiro fecharam em queda de 0,27 dólar, ou 0,3%, a 82,83 dólares por barril, e declínio mensal de 5,2%. O contrato de fevereiro, que começa a ser negociado como principal na sexta-feira, caiu 2,00 dólares, ou 2,4%, a 80,86 dólares.

Os futuros do petróleo bruto West Texas Intermediate (WTI) dos EUA caíram 1,90 dólar, ou 2,4%, para 75,96 dólares, e recuaram 6,2% em novembro.

Arábia Saudita, Rússia e outros membros da Opep+, que produzem mais de 40% do petróleo mundial, concordaram com cortes voluntários na produção de cerca de 2 milhões de barris por dia (bpd) para o primeiro trimestre de 2024.

Pelo menos 1,3 milhão de bpd desses cortes, no entanto, foram uma extensão de restrições voluntárias que Arábia Saudita e Rússia já tinham em vigor. Anteriormente, delegados haviam dito que os novos cortes adicionais em discussão eram de até 2 milhões de bpd.

"Por enquanto, o resultado não corresponde às expectativas... dos últimos dias", disse Callum MacPherson, chefe de commodities da Investec.

Na avaliação de James Davis, da FGE, "parece um corte de cerca de 600-700 mil barris por dia (bpd) em relação aos níveis planejados para o quarto trimestre de 2023".

"Na melhor das hipóteses, poderia ser um corte efetivo de cerca de 500 mil bpd em comparação com o quarto trimestre. Isso pode ser o suficiente para manter o mercado equilibrado no primeiro trimestre, mas será por pouco."

Arábia Saudita, Rússia, Kuweit, Cazaquistão e Argélia estavam entre os produtores que afirmaram que os cortes seriam revertidos gradualmente após o primeiro trimestre, conforme as condições de mercado permitissem.

Continua após a publicidade

A reunião, realizada no mesmo dia em que líderes globais se reuniam em Dubai para a conferência climática da ONU, estava originalmente agendada para a semana passada, mas foi adiada devido a desacordos sobre cotas de produção para os produtores africanos.

A Opep+ também convidou o Brasil, um dos dez maiores produtores de petróleo, para se tornar membro do grupo. O ministro de Minas e Energia, Alexandre Silveira, disse que espera ingressar em janeiro.

(Reportagem de Laura Sanicola em Washington)

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes