Bolsas

Câmbio

Eletrobras sai de prejuízo para lucro de R$ 1,394 bilhão no trimestre

(Atualizada às 8h16) A Centrais Elétricas Brasileiras (Eletrobras) apurou lucro líquido atribuído aos controladores de R$ 1,394 bilhão no primeiro trimestre deste ano, revertendo prejuízo líquido de R$ 3,898 bilhões de igual período de 2016. As informações foram publicadas na noite desta sexta-feira.


Segundo a companhia, esse resultado foi influenciado por 1) Resultado de participações societárias, de R$ 3,211 bilhões, influenciado, principalmente, pela receita da alienação de ativos (Celg D) no montante de R$ 1,525 bilhão e pelo efeito da Portaria nº 120, de 20 de abril de 2016, do Ministério de Minas e Energia, que estabeleceu as condições de pagamento e remuneração relativa à Rede Básica do Sistema Existente (RBSE); 2) Passivo a descoberto em controladas no montante de R$ 1,173 bilhão, impacto, principalmente, pelas controladas Amazonas Energia Distribuição (R$ 708 milhões), CGTEE (R$ 236 milhões) e Ceron (R$ 110 milhões); 3) Reversão de Provisões para contingências judiciais, no montante de R$ 2 milhões, decorrente, principalmente, de reversão de provisões relativas aos processos judiciais de empréstimo compulsório.


A receita operacional líquida somou R$ 8,969 bilhões no primeiro trimestre deste ano, 32,6% superior aos R$ 6,761 bilhões de igual intervalo de 2016. A receita de geração cresceu 17,8% entre os dois períodos, para R$ 5,015 bilhões; a de transmissão mais que dobrou, indo para R$ 2,778 bilhões (de R$ 1,209 bilhão no 1º trimestre de 2016) e a de distribuição foi de R$ 2,579 bilhões, crescimento de 1%.


Os custos operacionais foram de R$ 3,417 bilhões, leve redução (0,8%) sobre os R$ 3,445 bilhões no primeiro trimestre do ano passado.


A Eletrobras teve resultado financeiro negativo de R$ 1,338 bilhão entre janeiro e março deste ano, ligeira queda de 0,6% sobre o resultado financeiro negativo de R$ 1,345 bilhão em igual período de 2016.


O lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) ficou em R$ 4,429 bilhões no trimestre inicial de 2017, ante Ebitda negativo de R$ 2,041 bilhões no mesmo período do ano passado.


Volume de energia


O volume de energia vendida pelas geradoras da Eletrobras no primeiro trimestres de 2017, de 38,4 mil gigawatts-hora (GWh), recuou 3,3% em relação ao registrado em igual período do ano passado.


O destaque positivo foi Furnas, cujo volume de vendas cresceu 29%, para 5,3 mil GWh, enquanto a Chesf registrou a maior queda, de 83%, para 300 GWh. A subsidiária nordestina, porém, teve aumento de 9,4% no volume de energia fornecida em regime de cotas, por meio das usinas que tiveram concessão renovada no âmbito da MP 579/2012, para 12,8 mil GWh.


Já as distribuidoras da Eletrobras venderam 3,9 mil GWh, com baixa de 9% em relação a igual trimestre do ano passado. Praticamente todas as distribuidoras do grupo mantiverem o mercado registrado nos primeiros três meses de 2016, com exceção da Amazonas Energia, que teve recuo de 20% no volume de vendas de energia, para 1,2 mil GWh no trimestre inicial do calendário atual.



Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos