Dólar fecha junho com maior alta mensal desde eleição americana

O dólar teve leve alta nesta sexta-feira, mas caiu na semana. Ainda assim, fechou junho com a maior alta mensal desde novembro passado, após a eleição americana. O semestre termina negativo para o real, que contabiliza o segundo pior desempenho global no período, resultado da súbita mudança de cenário ocorrida em maio, após as delações da JBS contra o presidente Michel Temer.


Além dos temas domésticos, uma preocupação que começa a rondar o mercado é a possibilidade de retirada de estímulos pelos principais bancos centrais.


O BofA Merrill Lynch classifica o Brasil como o terceiro mercado mais vulnerável entre os grandes emergentes - melhor apenas que África do Sul e Turquia. O grau de suscetibilidade foi medido levando em conta o cenário em que os BCs do mundo desenvolvido começam a dar sinais mais "hawkish".


O BofA segue "neutro" na moeda brasileira, apesar da dinâmica "favorável" da conta corrente e da "considerável" atuação do Banco Central no câmbio. O banco americano nota "renovada" demanda por dólares da parte de investidores locais e estrangeiros, que buscam proteger posições diante dos "ruídos" políticos internos.


No curto prazo, o BofA diz que os estrangeiros estão mais "construtivos", enquanto os locais se mostram "mais preocupados". "Acreditamos que ficar comprado em dólar é a melhor forma de expressar visões negativas. E estar vendido em taxas de juros de médio e curto prazo é o modo mais eficiente de operar posições otimistas", afirma o BofA em relatório.


O banco projeta que o dólar subirá a R$ 3,35 até setembro, fechando o ano em R$ 3,40. Ao fim de 2018, a cotação estará em R$ 3,60.


O dólar comercial fechou esta sexta-feira em R$ 3,3145, alta de 0,23% sobre ontem. Na semana, a cotação recuou 0,72%.


Em junho, no entanto, a moeda ganhou 2,41% - maior alta desde o salto de 6,23% de novembro de 2016, quando os mercados estiveram sob efeito do resultado da eleição presidencial americana.


Para meses de junho, a valorização é a primeira e mais intensa desde 2013 (4,15%) - período em que investidores foram assombrados pela sinalização de corte de estímulos pelo Federal Reserve (Fed, BC americano).


No acumulado do primeiro semestre de 2017, o dólar avançou 1,97%. Isso faz do real a moeda com o segundo pior desempenho global, melhor apenas que o peso argentino, que cai 4,53% ante o dólar no mesmo intervalo.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos