Bolsas

Câmbio

Cade recomenda punição a "Junior da Friboi", irmão de Joesley e Wesley

A Superintendência Geral (SG) do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) recomendou a condenação de José Batista Junior, o "Junior da Friboi", por "formação de cartel no mercado da compra de gado bovino para abate nos Estados de Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais e São Paulo, por parte de diversos frigoríficos e do Frigorífico Independência", de acordo com nota técnica da autarquia.

Em nota enviada pela assessoria de imprensa, José Batista Junior negou a participação em cartel. (leia a íntegra da nota abaixo)

Batista é irmão de Joesley e Wesley Batista, mas não faz mais parte do bloco de controle da J&F. Ele tem as suas próprias empresas, agrupadas na JBJ. Com a recomendação, o caso será sorteado para um dos sete conselheiros do Cade, que decidirá sobre o caso. Não há prazo para isso. 

Além disso, a SG recomendou o envio da nota técnica à Procuradoria da República em Mato Grosso e à Superintendência Regional da Polícia Federal em Mato Grosso para que examinem a possibilidade de reabertura de inquérito "considerando as evidências demonstradas na presente nota técnica". O caso está no Cade desde 2006.

A autoridade antitruste tem outro caso envolvendo Batista sob análise. O tribunal do Cade tem que decidir até novembro se autoriza a compra da Mataboi pela JBJ. No caso, a dúvida é se JBJ e a Friboi, de propriedade de seus irmãos Wesley e Joesley - atualmente presos -, atuam de forma coordenada.

Outro lado

Em nota enviada pela assessoria de imprensa, José Batista Junior negou o envolvimento com um cartel. leia a íntegra da nota:

"Ao contrário do que afirma o Cade, José Batista Junior nunca participou e tampouco coordenou um cartel, uma vez que sua atuação à frente da JBS, empresa que deixou em 2011, sempre se deu conforme a lei. Trata-se de um processo antigo (de 2006), que esteve paralisado na Superintendência Geral do Cade por mais de 7 anos, voltando à tona neste momento de forma infundada e inexplicável. O Cade negou a José Batista Junior o acesso a documentos que o inocentam, mesmo após reiterados pedidos da defesa. Ademais, o Cade não efetuou investigações próprias. O caso foi originado e já devidamente investigado pela Polícia Federal e pela Procuradoria da República do Estado do Mato Grosso e, com base nos mesmos fatos, foi arquivado pela Justiça Federal daquele Estado há 4 anos, sob o argumento de que 'os fatos relatados (...) são destituídos de elementos objetivos, sendo narrados de forma aleatória e vaga' e "as acusações de delitos contra a ordem econômica (...) imputadas ao Grupo Friboi (...) não merecem seguimento' José Batista Junior está confiante de que a verdade dos fatos prevalecerá ao final e esclarece que irregularidades do processo conduzido pelo Cade já são objeto de questionamento no âmbito judicial."

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos