PUBLICIDADE
IPCA
+0,53 Jun.2021
Topo

Ibovespa recupera 76 mil pontos com exterior e safra de balanços

24/10/2017 19h37

O movimento favorável das bolsas americanas nesta terça-feira (24), com o índice Dow Jones renovando recordes no dia, e a perspectiva de que a temporada de balanços no Brasil mostrará importante crescimento das empresas levaram o Ibovespa a recuperar terreno ao longo do pregão e retomar o patamar dos 76 mil pontos.


Hoje, o principal índice da bolsa de valores encerrou com avanço de 1,24%, aos 76.350 pontos, depois de tocar um pico intradia de 76.420 pontos. O volume negociado foi de R$ 6,6 bilhões.


Entre os destaques positivos, a Fibria, que chegou a ganhar quase 6% na máxima do dia, reduziu a força no fechamento e subiu 0,34%, a R$ 53,25. Outro destaque ficou por conta da Usiminas PNA, que entrega o balanço do terceiro trimestre na sexta-feira (27) e teve, hoje, alta de 3,83%, a R$ 10,02.


Entre os maiores giros do índice, a Vale ON fechou em alta de 3,42%, a R$ 33,83. A mineradora também apresenta, na quinta-feira (26), o seu balanço ? e a expectativa também é de um trimestre de bons resultados. Já a Petrobras ON avançou 2,12%, a R$ 16,85, quase zerando as perdas acumuladas no ano, de 0,5%. A PN da estatal, maior giro do dia, avançou 1,91%, a R$ 16,51; no ano, sobe 11%.


"As bolsas lá fora estão subindo e temos o início da temporada de resultados das empresas aqui, para constatar se está tendo a melhora que o mercado espera. A expectativa é de uma pressão menor de custos e de melhora das despesas financeiras com a queda de juros", afirma Luis Gustavo Pereira, estrategista da Guide Investimentos. "A Fibria foi a primeira sinalização de um período de resultados sólidos, além de outras ações, como a WEG [+3%, a R$ 22,29], subirem com uma expectativa positiva."


Para Pereira, a aposta ainda é de aumento da alocação de investimentos em bolsa com o ritmo de queda da taxa básica de juros. Amanhã, o Comitê de Política Monetária (Copom) deve anunciar uma nova redução da Selic, movimento que deve continuar estimulando a migração da renda fixa para a variável e dando suporte à alta do Ibovespa até o fim do ano.


No entanto, pondera o estrategista, o índice ainda está com um movimento mais lateral nos últimos dias, com avanços seguidos de realização de lucros, e somente acima de 77 mil pontos será possível afirmar que o mercado pode manter de fato uma tendência mais firme de altas.


José Eduardo Velho, economista-chefe do banco Banestes, destaca que a reforma da Previdência, ainda que pequena, também precisa ser aprovada para que o índice não volte a passar por uma realização mais forte, já que parte do mercado já colocou nos preços essa expectativa. Às vésperas da votação da segunda denúncia contra o presidente Michel Temer, o assunto volta a ganhar preponderância.


"Se for postergada ou não for aprovada [a reforma], o mercado pode romper o suporte de 75 mil pontos e voltar um pouco e vai precisar, então, de outros elementos que justifiquem ficar acima desse patamar", diz ele.


Mesmo assim, o economista do Banestes reforça que, por enquanto, a expectativa de crescimento econômico no ano que vem eleva as chances de cumprir a meta fiscal e, por isso, não há motivos para ficar em posição vendida em Brasil.


"Não há saída de recursos de bolsa que configure reversão do cenário, mas sim um reposicionamento dos investidores", afirma.