ipca
-0,09 Ago.2018
selic
6,5 19.Set.2018
Topo

Só 4,6% dos filhos de pais sem instrução concluem faculdade, diz IBGE

15/12/2017 12h50

Somente 4,6% dos filhos de pais sem instrução conseguem concluir o ensino superior, evidenciando a desigualdade de oportunidade educacional existente no país. Quanto maior o nível de instrução dos pais maior o percentual de filhos com ensino superior completo.


A informação faz parte do suplemento de Mobilidade Sócio-Ocupacional, com dados de 2014, publicado nesta sexta-feira pelo Instituto Brasileiro de Geografia Estatística (IBGE) junto com a "Síntese de Indicadores Sociais 2017".


A pesquisa mostrou que, quando os pais tinham ensino superior completo, 69,6% dos filhos também concluíram esse nível de ensino.


Trabalho e cor


O percentual de filhos brancos formados em uma faculdade, cujos pais possuíam ensino médio completo ou superior incompleto, foi de 49,5%, enquanto esse percentual para os filhos pretos ou pardos foi de 28,4%, ou seja, quase duas vezes menor.


Essa vantagem das pessoas brancas em alcançar o topo da estrutura educacional brasileira se reflete no perfil das pessoas com ensino superior completo, pois 71% delas eram brancas e apenas 29% pretas ou pardas.


Quando o assunto é o mercado de trabalho, esse padrão se repete.


Quando os pais estão no topo da pirâmide profissional (como dirigentes ou profissionais das ciências), as chances de seu filho permanecer nesse estrato era 13,7 vezes maior em comparação de quem estava na base (com trabalhos agrícolas ou domésticos, por exemplo).


Um terço do total de mulheres que ascenderam no mercado de trabalho foram do extrato F (perfil agrícola) para o estrato E, especialmente nas ocupações "trabalhadores do serviço doméstico em geral" e "vendedores ou demonstradores em loja ou mercado".


Por sua vez, um terço dos homens que ascenderam foram para o estrato D, cujas ocupações mais comuns eram "trabalhadores de estrutura de alvenaria" e "condutores de veículo sobre roda".


Leia mais:


Um a cada quatro brasileiros vive abaixo da linha da pobreza, diz IBGE

Mais Economia