ipca
-0,09 Ago.2018
selic
6,5 19.Set.2018
Topo

Seade/Dieese: Desemprego na região metropolitana de SP cai em novembro

20/12/2017 11h55

A taxa de desemprego na região metropolitana de São Paulo (RMSP) caiu de 17,9% para 17,2% entre outubro e novembro, informou nesta quarta-feira (20) a Fundação Seade-Dieese. O desemprego aberto caiu de 14,8% para 14,1% no período e o oculto ? aquele que em que o trabalhador se ocupa em funções precárias ou bicos ? se manteve em 3,1%. Apesar do recuo, a desocupação na RMSP ainda é superior ao registrado em novembro do ano passado (16,8%).


De acordo com a Seade/Dieese, o contingente de desempregados em novembro foi estimado em 1,901 milhão de pessoas, 93 mil a menos do que no mês anterior. Esse resultado deveu-se à relativa estabilidade do nível de ocupação (geração de 9 mil postos de trabalho, ou 0,1%), simultaneamente ao decréscimo da População Economicamente Ativa - PEA (84 mil pessoas saíram da força de trabalho na região, ou -0,8%).


O contingente de ocupados foi estimado em 9,153 milhão de pessoas no mês passado. O número de assalariados elevou-se em 0,8%, devido aos acréscimos nos setores público (2,7%) e privado (0,6%). Neste último, aumentou o número de trabalhadores com e sem carteira de trabalho assinada (0,5% e 1,3%, respectivamente). O contingente de autônomos ficou praticamente estável (0,1%) e diminuiu o de empregados domésticos (-4,5%) e o daqueles classificados nas demais posições (-2,7%).


Rendimentos


O rendimento médio real dos trabalhadores ocupados ficou estável entre os meses de setembro e outubro (último dado disponível) e decresceu o dos assalariados (-0,6%), passando a equivaler a R$ 2.048 e R$ 2.101, respectivamente.


Elevaram-se os rendimentos no comércio e reparação de veículos automotores e motocicletas (2,1%) e nos serviços (2,0%). Em contrapartida, reduziu-se na indústria de transformação (-3,9%).


O rendimento médio dos autônomos avançou 4,9%, enquanto o dos assalariados com carteira de trabalho assinada subiu 0,4%. Já o rendimento dos trabalhadores sem carteira caiu 3,4%.

Mais Economia