PUBLICIDADE
IPCA
+0,83 Mai.2021
Topo

Todos a Bordo

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

"Aviões do fim do mundo" abrigam presidentes em caso de guerra nuclear

E-4B Nightwatch, o avião do Juízo Final do governo dos EUA, preparado para uma guerra nuclear - Jacob Skovo-Lane/10.jul.2019/Departamento de Defesa dos Estados Unidos
E-4B Nightwatch, o avião do Juízo Final do governo dos EUA, preparado para uma guerra nuclear Imagem: Jacob Skovo-Lane/10.jul.2019/Departamento de Defesa dos Estados Unidos

Alexandre Saconi

Colaboração para o UOL, de São Paulo

05/06/2021 04h00

Um avião que pode voar por vários dias sem precisar pousar e com capacidade para comandar um país inteiro em caso de guerra nuclear lá de cima. Pode parecer roteiro de um filme, mas essas aeronaves existem e operam hoje em dia.

Conhecidos como aviões do Juízo Final, essas aeronaves são adaptadas para se transformarem em postos de comando avançados em caso de guerra, por exemplo, podendo se manter no ar por vários dias sem precisar pousar.

Hoje apenas Estados Unidos e Rússia possuem exemplares desses aviões, que contam com um sistema especial de comunicações e prestam apoio às lideranças de ambos os países.

Servem de base de comando e comunicação para os chefes das Forças Armadas, incluindo os presidentes e ministros da Defesa, por exemplo.

Pulsos eletromagnéticos e ondas de choque

Nos EUA, quem realiza essa função é o E-4B Nightwatch, enquanto na Rússia, o Il-80 Maxdome assume esse papel.

Ambas são versões de aviões civis de grande porte que foram militarizadas e conseguem resistir a pulsos eletromagnéticos e ondas de choque.

Esses aviões não devem ser confundidos com as aeronaves presidenciais, como o Força Aérea Um, fabricado para transportar o presidente dos EUA.

Eles têm finalidades diferentes, e podem atuar em conjunto em um cenário mais complexo, como uma guerra.

Herança da Guerra Fria

E-4B dos EUA - Louis Briscese/11.set.2017/Força Aérea dos Estados Unidos - Louis Briscese/11.set.2017/Força Aérea dos Estados Unidos
E-4B Nightwatch, criado na época da Guerra Fria
Imagem: Louis Briscese/11.set.2017/Força Aérea dos Estados Unidos

Os dois aviões foram pensados em um contexto de Guerra Fria, quando EUA e a ex-União Soviética realizaram uma escalada armamentista nuclear.

Em caso de ataque, seria necessário manter uma estrutura de comando fora do solo, que é mais suscetível aos ataques de uma nação inimiga.

Apelidos de inspiração religiosa

O apelido dado aos aviões é uma referência religiosa. Segundo a tradição, o Dia do Juízo Final é quando Deus julgará toda a humanidade, e a Terra deixará de existir como era até então.

A analogia faz sentido com o sentimento de insegurança causado no período da Guerra Fria, que se encerrou apenas no começo dos anos 1990. O arsenal de ogivas nucleares no mundo chegou a mais de 70 mil unidades naquela época.

E-4B, o modelo americano

E-4B nas FIlipinas - Sgt. Adrian Cadiz/15.abr.2016/Departamento de Defesa dos Estados Unidos - Sgt. Adrian Cadiz/15.abr.2016/Departamento de Defesa dos Estados Unidos
Avião E-4B Nightwatch no aeroporto de Manila, nas Filipinas
Imagem: Sgt. Adrian Cadiz/15.abr.2016/Departamento de Defesa dos Estados Unidos

Nos EUA, o avião do Juízo Final é o E-4B Nightwatch, versão militarizada do Boeing 747 com capacidade de reabastecimento em voo.

Pode transportar até 112 pessoas, incluindo equipes de operações conjuntas do comando militar, de comunicações, manutenção e de segurança, além de agentes selecionados para alguma missão em particular.

O E-4B começou a ser implementado em 1980, como modernização do E-4A, em serviço desde 1974, O compartimento principal do Nightwatch é dividido em seis áreas:

  • Área de trabalho do comando
  • Sala de conferências
  • Sala de briefing
  • Área de trabalho da equipe de operações
  • Área de comunicações
  • Área de descanso
E-4B reabastecendo - Mary O'Dell/10.abr.2014/Força Aérea dos Estados Unidos - Mary O'Dell/10.abr.2014/Força Aérea dos Estados Unidos
E-4B pode ser reabastecido em voo e permanecer no ar por vários dias
Imagem: Mary O'Dell/10.abr.2014/Força Aérea dos Estados Unidos

Hoje existem quatro dessas aeronaves construídas, todas a serviço do governo dos EUA. Pelo menos uma delas está sempre preparada para entrar em ação em caso de necessidade.

Sua estrutura é feita para resistir aos efeitos de pulsos eletromagnéticos, além de blindagens térmica e contra efeitos decorrentes de uma explosão nuclear. Ele ainda é equipado com um sistema de comunicação via satélite que garante a conexão com os principais líderes mundiais.

Ficha técnica do E-4B

Construtor: Boeing
Propulsão: Quatro motores General Electric CF6-50E2
Comprimento: 70,5 metros
Envergadura: 59,7 metros
Altura: 19,3 metros
Peso máximo de decolagem: 360 toneladas
Capacidade de voo: até 12 horas (sem ser reabastecido)
Altitude máxima de voo: Acima de 9.091 metros (30.000 pés)
Custo unitário: US$ 223,2 milhões à época (R$ 1,2 bilhão no câmbio atual sem correção da inflação).
Capacidade: Até 112 passageiros

O modelo russo

Il-80 avião do Juízo Final - Divulgação/Dmitry Terekhov - Divulgação/Dmitry Terekhov
Il-80 Maxdome, o avião do Juízo Final do governo russo
Imagem: Divulgação/Dmitry Terekhov

A Rússia divulga poucas informações sobre o seu posto de comando aerotransportado, nome de seu avião do Juízo Final. Atualmente, o modelo utilizado para essa finalidade é o Ilyushin Il-80 Maxdome, desenvolvido a partir do avião de transporte civil Il-86.

Em breve, esse modelo deve ser substituído pelo quadrimotor Il-96-400M, maior e mais moderno. Esse novo avião deve ser capaz de voar por mais tempo e em maiores distâncias, aumentando a efetividade de suas missões.

Hoje existem ao menos quatro Maxdomes a serviço do governo russo. Eles começaram a voar em 1985, e sua entrada em operação definitiva na atual função só ocorreu em 1992.

Il-80 russo - Andrey Smirnov/AFP - Andrey Smirnov/AFP
O Ilyushin Il-80 é um centro de comando aéreo construído para levar o presidente russo em caso de explosão nuclear
Imagem: Andrey Smirnov/AFP

A principal diferença na aparência entre esse avião e seu irmão civil está na ausência de janelas e na protuberância na parte superior da fuselagem. A inexistência das janelas (exceto na cabine de comando) se justifica para evitar que os passageiros e a tripulação sejam afetados pelos efeitos de uma explosão nuclear.

A "corcunda" na parte de cima do avião abriga os sistemas eletrônicos do Il-80, como antenas e mecanismos de comunicação. Na parte de trás da aeronave ainda existe uma antena específica para comunicação com os submarinos da Marinha russa.

Ficha técnica do Il-96*

Fabricante: United Aircraft Corporation
Propulsão: quatro motores PS-90A1
Comprimento: 64,7 metros
Envergadura: 60,1 metros
Altura: 15,9 metros
Peso máximo de decolagem: 270 toneladas
Capacidade de voo: alcance de até 9.000 km com a carga máxima
Altitude máxima de voo: até 13,1 km de altitude
Custo unitário: Ainda não definido
Capacidade: Ainda não definida

* Os dados se referem à versão civil do Il-96-400M