PUBLICIDADE
IPCA
1,25 Out.2021
Topo

Todos a Bordo

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Itapemirim inicia operação em Congonhas e prevê voos internacionais em 2022

Alexandre Saconi

Colaboração para o UOL, em São Paulo

14/11/2021 04h00

A Itapemirim inicia seus voos no aeroporto de Congonhas nesta terça-feira (16), com destino ao Galeão, no Rio de Janeiro. Esse é um marco para a mais nova empresa aérea brasileira, que passará a atuar no mais disputado e lucrativo aeroporto do país.

Inicialmente, será uma decolagem diária, às 7h para a capital fluminense. Em seguida, o avião segue para Brasília, Recife, voltando pelas mesmas rotas e pousando às 21h na capital paulista.

Em entrevista exclusiva ao UOL, o presidente do grupo Itapemirim, Sidnei Piva, e o CEO da Itapemirim Transportes Aéreos, Adalberto Bogsan, falaram sobre as expectativas para a operação no aeroporto, diferenciais da companhia e projetos para abrir mais duas empresas aéreas a partir de 2023, uma na Europa e outra nos Estados Unidos. Também sobre os planos de voarem para outros países da América do Sul no ano que vem.

Bagagem grátis

Piva afirma que a nova rota manterá o padrão da companhia, com aviões com menos assentos e mais espaço interno e, quando as restrições causadas pela pandemia se encerrarem, serviço de bordo de padrão internacional para uma ponte aérea. Junto a isso, é possível despachar uma bagagem de até 23 kg sem custos adicionais.

Piva - Divulgação - Divulgação
Sidnei Piva, presidente do grupo Itapemirim
Imagem: Divulgação

Piva diz que é estrategicamente operar em aeroportos dentro da cidade devido à praticidade e acessibilidade.

O avião escolhido para a linha é o Airbus A319, configurado para 124 lugares, sendo 42 na classe Ita, com mais espaço para as pernas (86,4 cm em comparação com os 81 cm nos demais assentos).

Os executivos dizem que conseguem mais espaço porque transportam menos gente. O mesmo avião A319 é operado por outras empresas com 20 passageiros a mais (144 assentos ao todo).

Congonhas é vitrine

Congonhas é um mercado que permite uma exposição maior da empresa no país, segundo Adalberto Bogsan.

Bogsan - Alexandre Saconi/29.jun.2021 - Alexandre Saconi/29.jun.2021
Avião da Itapemirim no Aeroporto de Brasília
Imagem: Alexandre Saconi/29.jun.2021

"É um mercado que é uma vitrine. A exposição da marca em Congonhas é muito importante para conquistar o mercado e fazer a companhia crescer."

Bogsan ainda conta com a expansão da operação da empresa no local, que passará a ter 14 slots (horários) a partir de dezembro, segundo a Anac (Agência Nacional de Aviação Civil).

A empresa terá de tentar manter as operações no local, já que essas janelas de pousos e decolagens são temporárias, encerrando-se em 26 de março.

Após isso, a empresa terá de disputar novamente as autorizações de operação em Congonhas para a próxima temporada, que vai de 27 de março a 29 de outubro de 2022.

Operações internacionais

A companhia irá realizar seu primeiro voo para o exterior com uma operação fretada para Montevidéu (Uruguai) para o final da Copa Libertadores da América, no final deste mês.

Sidnei Piva também afirma que pretende começar a voar regularmente para outros países da América do Sul no meio de 2022.

Junto a isso, em breve, deve ser anunciado um CEO internacional que irá criar a Itapemirim América e a Itapemirim Europa.

O presidente do grupo Itapemirim, que também tem cidadania portuguesa, além da brasileira, afirma que serão duas companhias aéreas diferentes e independentes da brasileira.

A ideia de trazer esse CEO internacional é, exatamente, colocar a bandeira Itapemirim na Europa. Muito provavelmente, a base será em Roma (Itália) ou Lisboa (Portugal).
Sidnei Piva, presidente do grupo Itapemirim

Investimento esperado não veio

Quando foi anunciada a criação da empresa, também se falou que ela receberia um aporte de um fundo árabe para iniciar as operações.

O dinheiro prometido não veio, mas Piva diz que ele não seria necessário depois de perceber como a empresa operava.

No decorrer do processo, nós sentimos que não haveria mais a necessidade de entregar parte da companhia para esse fundo. Apresentei o projeto a pequenos investidores brasileiros, e todos eles começaram a achar muito interessante colocar dinheiro na empresa, mas em quantidade menor.
Sidnei Piva, presidente do grupo Itapemirim

PUBLICIDADE
Errata: o texto foi atualizado
Uma versão anterior deste texto informava incorretamente que a cidade do Rio é a capital carioca do estado. Na verdade, é a capital fluminense. A informação foi corrigida.