PUBLICIDADE
IPCA
0,73 Dez.2021
Topo

Todos a Bordo

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Adeus, choro e uniforme escondido: as últimas horas de voo da Itapemirim

Avião Airbus A320 que realizou o primeiro voo da Itapemirim Transportes Aéreos - Alexandre Saconi
Avião Airbus A320 que realizou o primeiro voo da Itapemirim Transportes Aéreos
Imagem: Alexandre Saconi

Alexandre Saconi

Colaboração para o UOL, em São Paulo

23/12/2021 04h00

As últimas horas de operação da Itapemirim Transportes Aéreos na sexta-feira da semana passada (17) foram marcadas por forte emoção dos funcionários e passageiros revoltados com o abandono da empresa. Em meio à falta de pagamento, tanto a empregados quanto a prestadoras de serviço, a empresa anunciou a suspensão de suas atividades no início da noite daquele dia.

Funcionários ligados à empresa relataram ao UOL, sob a condição de anonimato, que foram instruídos por colegas a deixar seus locais de trabalho discretamente. Isso incluía trocar de uniforme, quando possível, e esconder os crachás.

Isso devia acontecer da maneira mais sutil possível, para que não fosse percebida a debandada dos profissionais. O motivo alegado seria a segurança: Todos ali poderiam se tornar alvo de clientes furiosos com os cancelamentos.

Recentemente, é possível notar uma onda de passageiros agredindo funcionários de companhias aéreas, e, com os cancelamentos daquela noite, o ambiente havia se tornado propício.

'AeroITA, adeus!'

O penúltimo voo da Itapemirim a pousar foi marcado por um adeus do piloto à torre de controle. O voo 5339 partiu de Brasília (DF) no dia 17 de dezembro e pousou em Guarulhos (SP) por volta das 21h.

Ao tocar a pista, os pilotos receberam as instruções para onde deveriam levar o avião. Após repetir emocionado no rádio o comando da torre de controle (procedimento que serve para constatar que tudo o que foi dito foi compreendido adequadamente), o piloto diz: "AeroITA 5339, adeus!".

Na frequência de rádio, ainda é possível ouvir os pilotos pedindo que uma escada pudesse ser providenciada para que os passageiros fossem retirados da aeronave. Horas antes, a empresa que prestava os serviços especializados em solo para a Itapemirim havia cessado suas atividades no local devido à falta de pagamento.

Choro e incerteza

No desembarque dos últimos voos, já com a notícia da suspensão das operações circulando, funcionários foram pegos de surpresa. Alguns chegaram a chorar ainda dentro das aeronaves diante da situação enfrentada.

A maioria dos cerca de 300 tripulantes da Itapemirim são profissionais que perderam o emprego pelo menos uma vez nos últimos anos. Alguns são profissionais que saíram da Avianca após a falência da companhia.

Também há os que foram demitidos ano passado pela Latam e foram contratados pela nova empresa. Outros saíram da Avianca em 2019, foram para a Latam, acabaram demitidos em um corte anunciado de mais de 2.700 aeronautas (pilotos e comissários) daquela empresa, mas se realocaram na Itapemirim.

Trabalhadores de diversas áreas relataram nesta semana que ainda não haviam recebido os salários atrasados nem as parcelas do 13º. O cenário continua sendo de incerteza, já que a companhia não anunciou um plano concreto para poder voltar a voar.

PUBLICIDADE