Bolsas

Câmbio

Direto da BolsaDireto da Redação

Cobertura de notícias sobre mercados, ações e investimentos no Brasil e no exterior

Se não sabe responder a estas 5 questões, será muito difícil ficar rico

Mercado de ações nos Estados Unidos fecham em alta

As ações dos Estados Unidos encerraram a quarta-feira (16) em alta, mas longe dos níveis máximos, com as preocupações sobre a agenda do presidente norte-americano Donald Trump. O índice Dow Jones subiu 0,12%, a 22.024 pontos, enquanto o S&P 500 ganhou 0,14%, a 2.468 pontos. O índice de tecnologia Nasdaq avançou 0,19%, a 6.345 pontos. Os índices reduziram os ganhos após a dissolução feita por Trump de dois conselhos empresariais depois que mais dois CEOs renunciaram em resposta aos comentários do presidente sobre a violência do fim de semana em Charlottesville, na Virgínia. (Com Reuters) 

Bolsa fecha em alta pelo 4º dia seguido; ação da Vale sobe quase 2%

Ibovespa, principal índice da Bolsa brasileira, fechou esta quarta-feira (16) em alta de 0,35%, a 68.594,3 pontos. É o quarto avanço seguido da Bolsa, que subiu 0,1% na véspera, e novamente o maior patamar de fechamento desde 16 de maio (68.684,5 pontos). A sessão desta quarta-feira foi influenciada pela alta das ações da Vale, que tiveram valorização de 1,96%, R$ 31,73. Os papéis do banco Itaú Unibanco e da Ambev também subiram. Por outro lado, as ações da Petrobras e do Banco do Brasil caíram, e as do Bradesco fecharam o dia estáveis. (Com Reuters)  Leia Mais

Dólar cai 0,84%, a R$ 3,146, após aumento de previsão de rombo

dólar comercial fechou esta quarta-feira (16) em baixa de 0,84%, cotado a R$ 3,146 na venda. Foi a segunda queda seguida da moeda norte-americana, que caiu 0,91% na véspera. Na terça-feira (15), o governo anunciou aumento do rombo nas contas públicas, para R$ 159 bilhões neste e no próximo ano. Nesta quarta-feira, a agência de classificação de risco Moody's anunciou que isso não deve ter impacto para a avaliação da nota do Brasil. (Com Reuters)  Leia Mais

Dólar cai, vendido perto de R$ 3,15, e Bolsa opera em alta

O dólar comercial caía, e a Bolsa operava em alta nesta quarta-feira (16). Por volta das 16h25, a moeda norte-americana tinha queda de 0,68%, a R$ 3,151 na venda. No mesmo horário, o Ibovespa, principal índice da Bolsa brasileira, registrava alta de 0,5%, a 68.695,23 pontos.  O dólar ampliou a queda após a ata do banco central norte-americano sinalizar que cresceu a preocupação dos membros da instituição com a inflação fraca, o que pode esvaziar de vez as apostas de nova alta de juros nos Estados Unidos este ano. Juros maiores nos EUA podem atrair para lá recursos atualmente aplicados em economias onde as taxas são hoje mais vantajosas, como a brasileira. (Com Reuters)

BC dos Estados Unidos enfraquece aposta por mais juros no país

O Fed, banco central norte-americano, sinalizou nesta quarta-feira (16) que cresceu a preocupação dos membros da instituição com a inflação fraca, o que pode esvaziar de vez as apostas de nova alta de juros nos Estados Unidos este ano. Na ata da última reunião do Fed, divulgada hoje, as autoridades tiveram longa discussão sobre recente série de dados fracos de inflação. A alta dos preços tem permanecido abaixo da meta do banco central de 2% há mais de cinco anos. (Com Reuters) 

Dólar cai, vendido perto de R$ 3,16, e Bolsa opera em alta

O dólar comercial caía, e a Bolsa operava em alta nesta quarta-feira (16), após o governo aumentar a previsão de rombo nas contas públicas neste ano e em 2018 para R$ 159 bilhões. Por volta das 15h20, a moeda norte-americana tinha queda de 0,42%, a R$ 3,159 na venda. No mesmo horário, o Ibovespa, principal índice da Bolsa brasileira, registrava alta de 0,67%, a 68.814,58 pontos. Investidores mantinham a cautela diante da necessidade de o Congresso Nacional ainda ter de aprovar diversas medidas anunciadas pelo governo para gerenciar as contas públicas do país. (Com Reuters)

Agência diz que previsão de rombo maior não deve impactar nota do Brasil

A agência de classificação de risco Moody's informou nesta quarta-feira (16) que a revisão da meta de déficit primário para este ano não deve trazer um impacto para a avaliação de nota do Brasil. No entanto, a Moody's apontou que uma trajetória mais lenta da consolidação fiscal para o país entre 2018 e 2020 "é um desdobramento negativo de crédito". A agência informou ainda que as perspectivas para o crédito do Brasil no médio prazo serão impactados pelo resultado das reformas propostas, como a da Previdência. (Com Reuters) Leia Mais

Cemig vê espaço para acordo com governo sobre usinas com contratos expirados

A estatal mineira Cemig vê espaço para negociação de um acordo com o governo federal para a solução de um impasse relativo a usinas hidrelétricas que tiveram seus contratos expirados. O governo quer leiloar em setembro as usinas São Simão, Jaguara, Miranda e Volta Grande, que somam 2,922 gigawatts em capacidade instalada e representam quase 50% do parque gerador da companhia. Mas a empresa vem sustentando, inclusive junto à Justiça, que tem direito a renovar concessões. (Com Reuters) Leia Mais

Dólar cai, vendido perto de R$ 3,16, e Bolsa opera em alta

O dólar comercial caía, e a Bolsa operava em alta nesta quarta-feira (16), após o governo aumentar a previsão de rombo nas contas públicas neste ano e em 2018 para R$ 159 bilhões. Por volta das 14h20, a moeda norte-americana tinha queda de 0,26%, a R$ 3,164 na venda. No mesmo horário, o Ibovespa, principal índice da Bolsa brasileira, registrava alta de 0,64%, a 68.794,95 pontos. O governo também anunciou na véspera corte de 60 mil cargos vagos na administração pública, congelamento de salários e redução dos salários iniciais de servidores. As medidas dependem de aprovação do Congresso. (Com Reuters)

Principais Bolsas da Europa fecham em alta; Itália sobe 1,21%

As principais Bolsas da Europa fecharam em alta nesta quarta-feira (16), puxadas pelas ações dos setores de mineração e petróleo, diante dos preços mais altos dos metais e números melhores do Produto Interno Bruto da zona do euro. Veja as variações dos mercados:

  • Itália: +1,21%, 21.984 pontos
  • Alemanha: +0,71%, a 12.263 pontos
  • França: +0,71%, a 5.176 pontos
  • Inglaterra: +0,67%, a 7.433 pontos
  • Espanha: +0,6%, a 10.544 pontos
  • Portugal: +0,31%, a 5.259 pontos
(Com Reuters) Leia Mais

Dólar cai, vendido perto de R$ 3,17, e Bolsa opera quase estável

O dólar comercial caía, e a Bolsa operavam quase estável nesta quarta-feira (16), após o governo aumentar a previsão de rombo nas contas públicas neste ano e em 2018 para R$ 159 bilhões. Por volta das 13h20, a moeda norte-americana tinha queda de 0,21%, a R$ 3,166 na venda. No mesmo horário, o Ibovespa, principal índice da Bolsa brasileira, registrava leve alta de 0,01%, a 68.362,11 pontos. O governo também anunciou na véspera corte de 60 mil cargos vagos na administração pública, congelamento de salários e redução dos salários iniciais de servidores. As medidas dependem de aprovação do Congresso. (Com Reuters)

Dólar e Bolsa operam quase estáveis; moeda é vendida perto de R$ 3,17

O dólar comercial e a Bolsa operavam quase estáveis nesta quarta-feira (16), após o governo aumentar a previsão de rombo nas contas públicas neste ano e em 2018 para R$ 159 bilhões. Por volta das 12h20, a moeda norte-americana tinha leve queda de 0,09%, a R$ 3,17 na venda. No mesmo horário, o Ibovespa, principal índice da Bolsa brasileira, registrava leve alta de 0,08%, a 68.411,18 pontos. O governo também anunciou na véspera corte de 60 mil cargos vagos na administração pública, congelamento de salários e redução dos salários iniciais de servidores. As medidas dependem de aprovação do Congresso. (Com Reuters)

Procuradores vão investigar venda da Petrobras Argentina, diz advogado

Procuradores que investigam o maior escândalo de corrupção da história do Brasil vão analisar a venda da subsidiária da Petrobras na Argentina, ocorrida no ano passado, disse nesta quarta-feira (16) um advogado que representa os acionistas minoritários. A Petrobras vendeu sua participação de 67,2% na Petrobras Argentina por US$ 892 milhões para a Pampa Energia SA, maior companhia de energia da nação vizinha. O advogado Felipe Caldeira, representante dos acionistas da Petrobras, disse à agência Reuters que conversou na terça-feira com a força-tarefa da Operação Lava Jato, em Curitiba (PR), e que entregou aos investigadores informações sobre o negócio. (Com Reuters) 

Acionistas minoritários articulam saída dos irmãos Batista da JBS

Enquanto o BNDES, principal acionista minoritário da JBS, propõe a abertura de processo de responsabilidade civil contra controladores e administradores da empresa, outros investidores se articulam para tentar votar o afastamento da família Batista do comando da empresa. Os acionistas da JBS se reúnem em assembleia no próximo dia 1º, quando vão discutir a proposta do BNDES para processar os controladores e os ex-administradores Joesley Batista, Florisvaldo Caetano de Oliveira e Francisco de Assis e Silva. (Com Folha)  Leia Mais

Conselho da Magazine Luiza aprova desdobramento de ações

O conselho de administração do Magazine Luiza aprovou o desdobramento da totalidade das ações ordinárias (com direito a voto) da companhia, com o objetivo de aumentar a liquidez (possibilidade do investimento ser reconvertido em dinheiro com mais facilidade) dos papéis e torná-los mais acessíveis aos investidores, informou a varejista em fato relevante nesta quarta-feira (16). A ação ordinária da empresa, que fechou cotada R$ 454,26 na terça-feira, será desdobrada em oito papéis da mesma espécie. A operação de desdobramento ainda precisa ser aprovada em AGE (Assembleia Geral Extraordinária), em data ainda a ser definida. (Com Reuters) 

Dólar opera estável, vendido perto de R$ 3,17, e Bolsa sobe

O dólar comercial operava estável, e a Bolsa subia nesta quarta-feira (16), após o governo aumentar a previsão de rombo nas contas públicas neste ano e em 2018 para R$ 159 bilhões. Por volta das 11h15, a moeda norte-americana era cotada a R$ 3,173 na venda. No mesmo horário, o Ibovespa, principal índice da Bolsa brasileira, avançava 0,13%, a 68.442,98 pontos. O governo também anunciou na véspera corte de 60 mil cargos vagos na administração pública, congelamento de salários e redução dos salários iniciais de servidores. As medidas dependem de aprovação do Congresso. (Com Reuters)

Governo aprova compra do Citibank pelo Itaú Unibanco, com condições

O Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica) aprovou nesta quarta-feira (16), por unanimidade, a compra das operações de varejo do Citibank no Brasil pelo Itaú Unibanco, mediante condições previstas em um acordo de controle de concentrações a ser assinado com as partes. Entre as condições estão restrições, por parte do Itaú, para compra de instituições financeiras por até 30 meses a partir da assinatura do acordo. A proposta de acordo já havia sido sugerida em julho pela superintendência-geral do Cade e foi acatada pelo relator do processo no plenário, Paulo Burnier, assim como pelos demais conselheiros. (Com Reuters) Leia Mais

JBS agora prevê entrada na Bolsa de Nova York no fim de 2018

O presidente da JBS, Wesley Batista, afirmou na terça-feira (15) que quer retomar os planos de negociar ações na Bolsa de Nova York no segundo semestre de 2018. O projeto era considerado um passo essencial para o gigante da carne dar um salto em sua expansão internacional, mas foi abortado depois que a JBS admitiu em delação premiada o pagamento de propina a políticos. (Com Folha)

Dólar opera em queda, vendido perto de R$ 3,17; Bolsa sobe

O dólar comercial caía, e a Bolsa operava em alta nesta quarta-feira (16), após o governo aumentar a previsão de rombo nas contas públicas neste ano e em 2018 para R$ 159 bilhões. Por volta das 10h10, a moeda norte-americana tinha queda de 0,15%, a R$ 3,168 na venda. No mesmo horário, o Ibovespa, principal índice da Bolsa brasileira, avançava 0,72%, a 68.845,66 pontos. Na véspera, a Bolsa havia fechado com valorização de 0,1%. O governo também anunciou na véspera o corte de 60 mil cargos vagos na administração pública, o congelamento de salários e a redução dos salários iniciais de servidores. As medidas dependem de aprovação do Congresso (Com Reuters)

Previsão de salário mínimo para 2018 cai de R$ 979 para R$ 969

A revisão das projeções econômicas para 2018 levou o governo a reduzir a previsão para o salário mínimo no próximo ano. O valor de R$ 979 que consta na Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) passará para R$ 969 durante a elaboração do Orçamento. A redução ocorreu por causa da diminuição da projeção de inflação, que caiu de 4,5% para 4,2% pelo IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo). (Com Agência Brasil) Leia Mais

Agência que manteve nota do Brasil descarta redução no curto prazo

A agência de classificação SP Global Ratings afirmou, nesta quarta-feira (16), que não pretende reduzir a nota do Brasil no curto prazo, em função de uma relativa estabilização política, mas não descarta fazê-lo em 2018. A agência Standard & Poor's (S&P) anunciou na véspera que manteve a classificação BB para a dívida brasileira, logo após o governo ter elevado a previsão de rombo das contas públicas para R$ 159 bilhões em 2017 e 2018. (Com AFP)

Após previsão maior de rombo, dólar opera quase estável, a R$ 3,17

O dólar comercial abriu os negócios desta quarta-feira (16) operando quase estável, após o governo aumentar a previsão de rombo nas contas públicas neste ano e em 2018 para R$ 159 bilhões. Por volta das 9h10, a moeda norte-americana tinha leve queda de 0,03%, a R$ 3,172 na venda. O governo também anunciou na véspera o corte de 60 mil cargos vagos na administração pública, o congelamento de salários e a redução dos salários iniciais de servidores. As medidas dependem de aprovação do Congresso (Com Reuters)

Setor de serviços cresce 1,3% em junho, mas cai 3% em um ano, diz IBGE

O setor de serviços cresceu 1,3% em junho, na comparação com maio, melhor resultado desde março de 2016 (+1,4%), segundo dados divulgados pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) nesta quarta-feira (16). No entanto, na comparação com junho de 2016, o setor de serviços caiu 3%. Com esses resultados, a taxa acumulada no ano ficou em -4,1% e, em 12 meses, em -4,7%. O setor de serviços inclui, por exemplo, salões de beleza, imobiliárias, oficinas mecânicas, escritórios de advocacia, agências de turismo, companhias aéreas e hotéis, entre outros. (Com Reuters)  Leia Mais

Bolsa da China fecha em queda, com preocupações sobre o crescimento

As Bolsas da Ásia e do Pacífico fecharam sem direção comum nesta quarta-feira (16). Na China, o mercado caiu, com a confiança dos investidores sendo prejudicada por preocupações acerca do enfraquecimento do crescimento econômico, embora as perdas tenham sido limitadas pelo avanço das ações do setor de tecnologia. Veja as variações das Bolsas da região:

  • Japão: -0,12%
  • Hong Kong: +0,86%
  • China: -0,14%
  • Coreia do Sul: +0,6%
  • Taiwan: -0,2%
  • Cingapura: -0,48%
  • Austrália: +0,48%. (Com Reuters)
Leia Mais

Alta do PIB na zona do euro no 2º tri é revisada para cima, para 2,2%

A economia nos 19 países que usam o euro cresceu mais do que previsto anteriormente, informou nesta quarta-feira (16) a agência de estatísticas da União Europeia, Eurostat. O PIB (Produto Interno Bruto) da zona do euro cresceu 0,6% no segundo trimestre na comparação com o primeiro, como projetado anteriormente. Mas o dado anual foi melhorado para mostrar uma expansão de 2,2%, contra 2,1% na estimativa anterior. A estimativa anual também ficou acima dos 2,1% esperados em pesquisa da agência de notícias Reuters junto a 28 economistas. (Com Reuters)

Conversor de moedas

Resultado:

Câmbio

Dólar comercial - 20/09/2017 16h59
Compra Venda Variação
Dólar com. 3,1289 3,1294 -0,21%
Dólar tur. 3,0000 3,2600 -1,51%
Euro 3,7189 3,7204 -1,08%
Libra 4,2200 4,2215 -0,32%
Pesos arg. 0,1823 0,1824 -0,49%

Fonte Thompson Reuters

Veja outras cotações

Bolsas de Valores

Bovespa - 20/09/2017 17h35 - 76.004,15
Variação
Brasil | Bovespa +0,04%
EUA | Nasdaq -0.08%
França | CAC 40 +0.08%
Japão | Nikkei +0.71%

Fonte Thompson Reuters

Veja outras cotações

Ações em destaque

Ação Variação Cotação
Veja outras cotações

Commodities

Venda Variação
Petróleo (Brent) US$ 58,260 0,0%
Ouro US$ 1299,530 +0,08%
Prata US$ 17,117 +0,15%
Platina US$ 941,100 -0,31%
Paládio US$ 915,000 -0,04%

Fonte Thompson Reuters

Inflação

Índice Mês Valor
IPCA ago.17 +0,19%
IPC-Fipe ago.17 +0,1%
IGP-M ago.17 +0,1%
INPC ago.17 -0,03%

Fonte Thompson Reuters

Indicadores

Valor Atualização
Salário Mínimo R$ 937,00 2017
Global 40 +112,32% 20.Set.2017
TR 0,0% 20.Set.2017
CDI +8,14% 20.Set.2017
SELIC +8,25% 06.set.2017
IPCA +0,19% ago.17

Fonte Thompson Reuters

Últimas notícias

UOL Cursos Online

Todos os cursos