PUBLICIDADE
IPCA
0,86 Out.2020
Topo

Econoweek

Existe investimento com retorno garantido e alto rendimento?

César Esperandio

César Esperandio

César Esperandio é economista com ênfase em planejamento financeiro, com larga experiência no mercado financeiro. Já atuou em setores macroeconômicos de bancos e consultorias, além de ter passado por empresa de pesquisas de mercado. Hoje se dedica exclusivamente ao Econoweek, com foco em investimentos.

14/10/2020 16h45

A taxa Selic está em 2% ao ano e deve permanecer assim por um bom tempo. Os rendimentos do Tesouro Selic estão ao redor de 1,9% e o Ibovespa, que representa as principais ações da Bolsa, ainda não se recuperaram totalmente da crise, acumulando prejuízo em 2020.

Enquanto isso, há promessas de investimentos com rendimentos de 1%, 2% ao mês, ou até mais, garantindo segurança e retornos rápidos.

Será que são fato ou fake? São oportunidades ou ciladas?

Eu sou César Esperandio, economista do Econoweek, a tradução da economia. Agora, vou traduzir essa pegadinha dos investimentos para você que ainda tem essa dúvida. No vídeo acima, é possível assistir à discussão ao vivo entre os #Econoweekers para saber o que andam falando por aí.

Golpe do Investimento com alto rendimento garantido

Recebi uma pergunta de um seguidor no Instagram do Econoweek que questionava sobre "oportunidades" de investimentos com rendimento de 3% ao mês, de maneira rápida, fácil e segura.

Há diversas "empresas" que se declaram especialistas em diversos tipos de investimentos que normalmente prometem rendimento muito acima da média do mercado, com segurança total e retorno garantido.

Algumas declaram fazer investimentos no exterior, outras em moeda estrangeira e até em criptomoedas, com promessa de lucro rápido, fácil e seguro.

Atenção: é mentira!

Infelizmente, temos que ficar atentos aos golpes financeiros que surgem, principalmente no mundo online.

Esses ativos realmente existem no mercado financeiro, mas essas empresas golpistas muitas vezes sequer fazem os investimentos declarados, e funcionam no esquema de pirâmide financeira, na qual atraem grande número de interessados com seus investimentos iniciais, que garantem os lucros de quem entrou antes no esquema.

A pirâmide rui quando as pessoas que colocaram seu dinheiro ali começam a desconfiar e há mais pedidos de saques do que o volume que está entrando.

Nessa hora, os gestores dessas empresas costumam começar a não honrar com o combinado e as vezes até "somem do mapa", deixando um enorme prejuízo a muitas pessoas.

Como diferenciar um investimento sério de um golpe?

O primeiro sinal para identificar uma pirâmide é o bom senso.

O maior investidor da história se chama Warren Buffett. Ele teve rendimento médio de ao redor de 20% ao ano com principalmente investimentos em ações, recomendadas para investidores que aceitam maior risco em busca de maiores rendimentos.

Empresas golpistas que oferecem retorno de 2% ou 3% ao mês, sem risco algum, prometem rendimentos equivalentes a entre 27% e 43% ao ano.

Perceba que esse rendimento é superior ao obtido pelo maior investidor que já existiu. Algo parece errado, não parece?

E há promessas de retornos ainda maiores.

Regra de bolso: se observar alguma oportunidade de investimento com retorno de 1% ao mês ou mais, sem risco e com lucro rápido, desconfie.

Outras dicas básicas são: dê preferências a investimentos oferecidos dentro do ambiente da sua corretora e, se quiser fazer investimentos alternativos, observe se há vínculo comprovado da instituição com órgãos como CVM, Banco Central e ABFintechs, por exemplo.

Via de regra, os investimentos mais seguros, que apresentam rendimentos em períodos curtos, também têm taxas de rendimentos menores, próximas a do Tesouro Selic, que sempre servirá de parâmetro nesses termos.

Conforme o risco do investimento aumenta e/ou o prazo mínimo para permanecer com o dinheiro em determinada oportunidade também cresce, o potencial de rendimento também sobe. Mas, como disse, risco zero não existe.

Você sabia disso? Conte aqui nos comentários.

Também dá para falar com a gente em várias de nossas redes sociais, como nosso canal do YouTube, Instagram e nossos podcasts no Spotify. A gente sempre compartilha muito conhecimento sobre economia, finanças e investimentos. Afinal, o conhecimento é sempre uma saída!

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL.