PUBLICIDADE
IPCA
0,64 Set.2020
Topo

Você sabe como fazer um planejamento financeiro blindado de crises?

César Esperandio

César Esperandio

César Esperandio é economista com ênfase em planejamento financeiro, com larga experiência no mercado financeiro. Já atuou em setores macroeconômicos de bancos e consultorias, além de ter passado por empresa de pesquisas de mercado. Hoje se dedica exclusivamente ao Econoweek, com foco em investimentos.

15/10/2020 18h20

Sempre falamos sobre a importância do planejamento financeiro para uma vida mais tranquila e segura. Durante a atual crise, muita gente teve redução de renda ou perda de emprego, sentindo na pele (e no bolso) os efeitos de não se ter reservas adequadas para cada fase da vida.

Eu sou o César Esperandio, economista do Econoweek, a tradução da Economia. Agora, vou traduzir os passos fundamentais do planejamento financeiro adequado. No vídeo acima, trouxe a Yolanda Fordelone, também economista do Econoweek, e a administradora Paula Toguchi para contribuírem nesse debate ao vivo entre nós e os #Econoweekers.

Vamos aos principais passos:

Conhecer a si próprio

Investir por investir, embora possa parecer, não é uma boa estratégia.

Cada pessoa tem um perfil de tolerância ao risco diferente, bem como tem sonhos e objetivos distintos. Dessa maneira, os investimentos também precisam se adequar à personalidade de cada um, bem como precisam estar alinhados à fase de vida e realidade social e familiar das pessoas.

Por mais que possa parecer muito vago, é simples de entender.

Imagine alguém aos 60 anos de idade, com filhos e netos, um imóvel e algum dinheiro guardado, que gostaria de cuidar melhor da aposentadoria e da saúde. Agora, em outro caso, pense em alguém na faixa dos 30 anos, que saiu da cada dos pais há não muito tempo, começando a ter sucesso na carreira e sem casa própria. São duas situações completamente diferentes, que demandam planejamentos totalmente distintos.

Já demos diversas dicas de como começar a investir na reserva de segurança. Agora, a dica é fazer o teste de suitability no site de sua corretora.

O nome parece algo super complexo, mas é muito simples. Traduzindo, são algumas perguntas que você irá responder para que tenha sugestões de diversificação de investimentos mais adequados ao seu perfil. Esse será um bom pontapé inicial para melhor adequação das suas finanças ao seu perfil particular.

Anote seus gastos

E não são só os gastos que devem ser anotados. As receitas também devem ser computadas, principalmente a dos profissionais autônomos e microempresários.

Ter controle sobre o tanto de dinheiro que entra e sai, classificando-os em principais grupos, como "alimentação", "transporte" e "moradia" é uma ótima maneira de perceber despesas que poderiam ser otimizadas.

Eu mesmo, quando ainda bem jovem, comecei a anotar meu orçamento, percebi que estava gastando muito mais do que imaginava com refeições fora de casa e idas a restaurantes. Pois é! A cada pequeno gasto, o total no final do mês pode por a perder qualquer planejamento mal planejado.

Para fazer esse acompanhamento, não há mais desculpas. Ele pode ser feito no Excel, no caderninho ou até em aplicativos de celular. Está cada vez mais rápido e automático cumprir essa tarefa.

Tenha sonhos e objetivos claros

Ter clareza dos objetivos e seus prazos é um aliado fundamental no seu planejamento. Há duas razões principais para isso:

A primeira é que é muito mais estimulante ter uma reserva financeira (e uma estratégia de investimentos atrelada a ela) com um nome, como "Casamento", "Viagem de formatura" ou "Intercâmbio", não acha?

O segundo motivo é que se pretende usar o dinheiro economizado em um objetivo que ocorrerá em dois anos, não adianta investir em títulos de renda fixa com vencimentos de cinco anos, por exemplo. Nesse caso, poderá não conseguir resgatar seu investimento e sacar o dinheiro para utilizá-lo no prazo desejado.

Proteja-se

Embora os investimentos já funcionem, de certa maneira, como um colchão de segurança, há ainda os seguros que podem proteger não apenas o patrimônio e objetivos conquistados, como também garantirão tranquilidade adicional para outras coisas importantes.

Um seguro pode te apoiar financeiramente em casos perda de emprego involuntária, diagnósticos de doenças graves, caso precise ficar internado por alguns dias, se machucar ou até passar por um procedimento cirúrgico emergencial, como uma retirada de apêndice.

Ferramentas para o planejamento financeiro

Para mais dicas e insights de planejamento financeiro inteligente, não deixe de acompanhar o bate-papo com perguntas e respostas ao vivo no vídeo acima. Agora, separei algumas dicas de ferramentas que podem otimizar esse processo.

  • O aplicativo GuiaBolso oferece uma maneira prática e automatizada de lançamento de gastos e acompanhamento do orçamento. Basta autorizar seu banco ou cartão de crédito que cada gasto será classificado automaticamente, sem que você precise anotar nada;
  • A MetLife oferece seguros para situações como a perda de emprego involuntária e redução de renda, que foram comuns durante essa crise;
  • Quer encontrar os títulos de renda fixa com bons retornos? O App Renda Fixa é um aplicativo que mostra todas as opções de investimentos, disponíveis em todas as corretoras, depois que você informar quanto quer investir e por quanto tempo;
  • Há ainda investimentos de renda fixa alternativos, tais como os CCBs da MatchMoney, com selo de segurança da ABFintechs e rendimentos que chegar a ser seis vezes mais que o Tesouro Selic;
  • A corretora Toro dispõe de uma maneira de investir em ações sem precisar do home broker, que muitas vezes é um "complicômetro" para quem ainda não está habituado com a Bolsa, além de não cobrar taxa de corretagem na compra e venda de ações.
  • O que você acha? Conte aqui nos comentários.

Também dá para falar com a gente em várias de nossas redes sociais, como nosso canal do YouTube, Instagram e nossos podcasts no Spotify. A gente sempre compartilha muito conhecimento sobre economia, finanças e investimentos. Afinal, o conhecimento é sempre uma saída!

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL.