PUBLICIDADE
IPCA
+0,53 Jun.2021
Topo

Econoweek

O que é ESG e como investir em empresas com boas práticas?

Yolanda Fordelone

Yolanda Fordelone

Yolanda Fordelone é economista e jornalista, teve passagens por grandes jornais nas áreas de economia e finanças, foi professora em um curso de graduação em Economia e hoje coordena uma equipe em um aplicativo de gestão financeira. Além disso, se dedica às finanças pessoais no Econoweek.

16/12/2020 04h00

Uma sigla tornou-se popular em 2020, apesar de as práticas já estarem sendo discutidas há alguns anos. Quem pensa em investir na bolsa com certeza irá se deparar com o ESG (Environmental, Social and Governance) ou ASG, que significa ambiental, social e governança.

São ações e fundos de empresas que possuem práticas atreladas ao tema. Esse conjunto de companhias tem chamado a atenção dos investidores no mundo todo, sobretudo por uma demanda crescente de consumidores por empresas sustentáveis e pela maior gestora do mundo, BlackRock, estar cada vez mais envolvida no tema e apontando para a tendência.

Em um primeiro olhar, o leigo pode pensar que empresas pautadas pelo social, ambiental e governança possuem mais custos e assim gerar menos resultado. Mas se você olha para o índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE), indicador que reúne empresas com boas práticas sustentáveis, a alta foi de 257% desde sua criação, no fim de 2005, até o primeiro semestre de 2020.

O Ibovespa, índice que reúne as ações mais representativas da bolsa brasileira, por sua vez subiu 198% no período. Apesar de o ISE estar defasado, já serve como um primeiro passo para identificar tais práticas.

Isso porque, segundo gestores, as empresas ESG possuem menor risco de se envolver em fraudes, processos trabalhistas, e outras ações jurídicas.

Para entender a sigla e como selecionar empresas ESG, falo no vídeo acima com Juliana Machado, especialista em fundos de investimentos da Exame Research. Acompanhe a conversa por lá, assim como a definição para cada letra da sigla:

Práticas ambientais

Entre os parâmetros observados, investidores olham se a empresa tem ações para conter a mudança climática e emissão de carbono, se usa recursos naturais e se há preocupação com poluição e resíduos.

Práticas sociais

As companhias devem ter ações de saúde, segurança e diversidade dos colaboradores, responsabilidade com o consumidor, atividades beneficentes e relacionadas à comunidade.

Práticas de governança

A empresa lida bem com direitos aos acionistas, tem um conselho de administração independente e diverso, uma política clara de remuneração da diretoria, não se envolver em fraudes e ser transparente com o mercado.

Ficou com alguma dúvida? Deixe um comentário aqui e fale com o Econoweek no Instagram ou no YouTube.