Só para assinantesAssine UOL
Opinião

Desemprego no Brasil, inflação nos EUA e o que mais mexe com o mercado hoje

Veja as principais notícias que impactam o seu bolso hoje.

Assista ao vivo aos destaques dos mercados, com análises dos especialistas de Research do PagBank, e se prepare para investir melhor.

Acompanhe o programa diariamente, de segunda a sexta-feira, às 8h40, e fique bem informado sobre todas as notícias e mudanças que impactam os mercados. Aproveite também para tirar suas dúvidas sobre investimentos.

O programa é apresentado pela equipe de Research e Economia do Pagbank.

Conheça a página de Investimentos do UOL, onde você tem orientações sobre como investir melhor para conquistar um sonho e garantir seu futuro.

Tem dúvidas? Envie sua pergunta para uoleconomiafinancas@uol.com.br.

Veja a análise do dia no vídeo a seguir, confira os destaques noticiosos mais abaixo e tenha um bom dia de investimentos:

Investidores aguardam pelos números do desemprego no Brasil. Após o desempenho positivo no pregão anterior, puxado pela queda das taxas dos Treasuries americanos e das taxas dos DIs futuros, o mercado deve acompanhar hoje a divulgação de novos dados econômicos, como a taxa de desemprego de agosto medida pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), o saldo orçamentário do setor público e a dívida bruta em relação ao PIB (Produto Interno Bruto).

Continua após a publicidade

Os futuros americanos operam em alta, à espera de dados de inflação. O mercado aguarda a divulgação dos dados do PCE, o índice de inflação favorito do Fed (Federal Reserve, o Banco Central dos Estados Unidos). Os investidores buscam sinalizações sobre o atual comportamento dos preços para projetar o futuro dos juros no país. Outro ponto de atenção é a possível paralisação do governo americano, que pode acontecer a partir de 1º de outubro caso Republicanos e Democratas não cheguem em um consenso sobre o aumento dos gastos. Em caso de "shutdown", as estatísticas econômicas sobre o desemprego e inflação não devem ser divulgadas, o que vai dificultar a tomada de decisões do mercado e do Fed. Também saem hoje dados sobre gastos, renda e sentimento do consumidor.

As Bolsas europeias também sobem após a divulgação de dados econômicos. Os números preliminares da inflação ao consumidor (CPI), o principal dado publicado hoje, mostrou alta de 0,3% em setembro, abaixo das estimativas de 0,5%. No Reino Unido, o PIB do segundo trimestre cresceu 0,2%, em linha com as projeções. Na Alemanha, a vendas no varejo caíram 1,2%, abaixo das expectativas, que apostavam em recuo de 0,8%. Já a taxa de desemprego chegou a 5,7%, seguindo as estimativas do mercado.

Na China, as Bolsas estão fechadas devido ao feriado da Semana Dourada. Os mercados chineses reabrem apenas no dia 9 de outubro. Enquanto isso, no restante da Ásia, o índice Hang Seng saltou 2,51% em Hong Kong, puxado pelas ações de tecnologia, que foram beneficiadas após o regulador chinês propor uma flexibilização da política de dados transfronteiriços. No Japão, o índice o Nikkei ficou praticamente estável, com leve queda de 0,05%. No país, o CPI dos 12 meses encerrados em agosto foi de 2,8%, enquanto o núcleo ficou em 2,5% — ambos em queda em relação ao mês anterior. A produção industrial ficou estável, ante estimativas de queda de 0,8%. As vendas no varejo em agosto cresceram 7% no ano, também acima das projeções (6,6%). Por fim, tivemos a taxa de desemprego no país chegando 2,7% em agosto.

No mercado de commodities, as cotações do petróleo operam de forma mista. Os possíveis aumentos de produção por parte da Rússia e da Arábia Saudita estão superando quaisquer perspectivas de crescimento da demanda na China, por conta do feriado prolongado.

Opinião

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL.

As opiniões emitidas neste texto são de responsabilidade exclusiva da equipe de Research do PagBank e elaboradas por analistas certificados. O PagBank PagSeguro e a Redação do UOL não têm nenhuma responsabilidade por tais opiniões. A única intenção é fornecer informações sobre o mercado e produtos financeiros, baseadas em dados de conhecimento público, conforme fontes devidamente indicadas, de modo que não representam nenhum compromisso e/ou recomendação de negócios por parte do UOL. As informações fornecidas por terceiros e/ou profissionais convidados não expressam a opinião do UOL, nem de quaisquer empresas de seu grupo, não se responsabilizando o UOL pela sua veracidade ou exatidão. Os produtos de investimentos mencionados neste material podem não ser adequados para todos os perfis de investidores que, antes de qualquer decisão, deverão preencher o questionário de suitability para a identificação do seu perfil de investidor e da compatibilidade do produto de investimento escolhido. As informações aqui veiculadas não devem ser consideradas como a única fonte para o processo decisório do investidor, sendo recomendável que este busque orientação independente e leia atentamente os materiais técnicos relativos a cada produto. As projeções e preços apresentados estão sujeitos a variações e podem impactar os portfolios de investimento, causando perdas aos investidores. A rentabilidade obtida no passado não representa garantia de resultados futuros. Este conteúdo não deve ser reproduzido no todo ou em parte, redistribuído ou transmitido para qualquer outra pessoa sem o consentimento prévio do UOL.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes