Só para assinantesAssine UOL
Opinião

Agenda econômica no Congresso e dados dos EUA e Europa movimentam mercado

Veja as principais notícias que impactam o seu bolso hoje.

Assista ao vivo aos destaques dos mercados, com análises dos especialistas de Research do PagBank, e se prepare para investir melhor.

Acompanhe o programa diariamente, de segunda a sexta-feira, às 8h40, e fique bem informado sobre todas as notícias e mudanças que impactam os mercados. Aproveite também para tirar suas dúvidas sobre investimentos.

O programa é apresentado pela equipe de Research e Economia do Pagbank.

Conheça a página de Investimentos do UOL, onde você tem orientações sobre como investir melhor para conquistar um sonho e garantir seu futuro.

Tem dúvidas? Envie sua pergunta para uoleconomiafinancas@uol.com.br.

Veja a análise do dia no vídeo a seguir, confira os destaques noticiosos mais abaixo e tenha um bom dia de investimentos:

No Brasil, o mercado deve acompanhar os dados do IGP-10 de dezembro e do IBC-Br de outubro. Além dos dados locais, os investidores também vão monitorar os dados econômicos dos EUA. O Ibovespa superou seu topo histórico de fechamento no dia de ontem, encerrando o pregão aos 130.842 pontos. A alta da bolsa local veio em meio ao maior otimismo global, fruto da perspectiva de que o início do corte de juros nos EUA ocorra ainda no primeiro semestre de 2024. Esse fato se sobrepôs a abordagem mais conservadora do Copom, que sinalizou que não deve acelerar o corte de juros aqui no Brasil. Na esfera política, ontem o Congresso derrubou o veto do presidente Lula ao projeto de lei que prorroga até 2027 a desoneração da folha de pagamento de 17 setores da economia. A derrubada do veto é uma derrota do governo, na busca por zerar o déficit primário em 2024. Ainda no Congresso, o relatório da MP das subvenções foi aprovado em uma comissão mista. A medida provisória agora vai para votação no plenário da Câmara.

Continua após a publicidade

Nos EUA, o mercado deve acompanhar os dados sobre produção industrial em novembro, além dos dados preliminares sobre os PMIs de dezembro. Os futuros dos principais índices acionários operam em alta. As bolsas americanas seguiram repercutindo o otimismo pós- reunião do Fed, fechando mais um dia em alta, mesmo com a desvalorização das principais Big Techs. O índice Dow Jones renovou máxima ontem, fechando o pregão aos 37.248 pontos. Ontem ainda tivemos os juros caindo nos EUA, com o título de 10 anos terminando o dia abaixo dos 4%, um patamar que não se via desde julho deste ano.

Na Europa, as bolsas operam em alta, repercutindo os dados preliminares sobre os PMIs de dezembro. Na Alemanha, o PMI industrial (prévia) subiu para 43,1 em dezembro, levemente abaixo das estimativas de 43,2. O PMI do setor de serviços (prévia) caiu para 48,4 em dezembro, abaixo das estimativas de 49,8. No Reino Unido, o PMI industrial (prévia) caiu para 46,4 em dezembro, abaixo das estimativas de 47,5. O PMI do setor de serviços (prévia) subiu para 52,7 em dezembro, acima das estimativas de 51,0. Na Zona do Euro, o PMI industrial (prévia) se manteve em 44,2 em dezembro, abaixo das estimativas de 44,6. O PMI do setor de serviços (prévia) caiu para 48,1 em dezembro, abaixo das estimativas de 49,0.

Na Ásia, as bolsas fecharam de forma mista. No Japão, o Nikkei apresentou valorização de 0,87%. Em Hong Kong, o Hang Seng subiu 2,38%, enquanto na Coreia do Sul, o Kospi apresentou valorização de 0,76%. O Shangai Composto fechou em queda de 0,56%, e o Shenzen Composto caiu 0,39%. A maioria das bolsas asiáticas seguiram o tom de otimismo global, enquanto a bolsa chinesa repercutiu dados econômicos locais. A produção industrial na China cresceu 6,6% em novembro na comparação anual, acima das estimativas de 5,7%. As vendas no varejo cresceram 10,1% na mesma comparação, abaixo das estimativas de 12,5%.

Opinião

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL.

As opiniões emitidas neste texto são de responsabilidade exclusiva da equipe de Research do PagBank e elaboradas por analistas certificados. O PagBank PagSeguro e a Redação do UOL não têm nenhuma responsabilidade por tais opiniões. A única intenção é fornecer informações sobre o mercado e produtos financeiros, baseadas em dados de conhecimento público, conforme fontes devidamente indicadas, de modo que não representam nenhum compromisso e/ou recomendação de negócios por parte do UOL. As informações fornecidas por terceiros e/ou profissionais convidados não expressam a opinião do UOL, nem de quaisquer empresas de seu grupo, não se responsabilizando o UOL pela sua veracidade ou exatidão. Os produtos de investimentos mencionados neste material podem não ser adequados para todos os perfis de investidores que, antes de qualquer decisão, deverão preencher o questionário de suitability para a identificação do seu perfil de investidor e da compatibilidade do produto de investimento escolhido. As informações aqui veiculadas não devem ser consideradas como a única fonte para o processo decisório do investidor, sendo recomendável que este busque orientação independente e leia atentamente os materiais técnicos relativos a cada produto. As projeções e preços apresentados estão sujeitos a variações e podem impactar os portfolios de investimento, causando perdas aos investidores. A rentabilidade obtida no passado não representa garantia de resultados futuros. Este conteúdo não deve ser reproduzido no todo ou em parte, redistribuído ou transmitido para qualquer outra pessoa sem o consentimento prévio do UOL.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes