Só para assinantesAssine UOL
Opinião

IPCA-15, dados de emprego e discursos no BCE e Fed são destaques do dia

Veja as principais notícias que impactam o seu bolso hoje.

Assista ao vivo aos destaques dos mercados, com análises dos especialistas de Research do PagBank, e se prepare para investir melhor.

Acompanhe o programa diariamente, de segunda a sexta-feira, às 8h40, e fique bem informado sobre todas as notícias e mudanças que impactam os mercados. Aproveite também para tirar suas dúvidas sobre investimentos.

O programa é apresentado pela equipe de Research e Economia do Pagbank.

Conheça a página de Investimentos do UOL, onde você tem orientações sobre como investir melhor para conquistar um sonho e garantir seu futuro. Tem dúvidas? Envie sua pergunta para uoleconomiafinancas@uol.com.br.

Veja a análise do dia no vídeo a seguir, confira os destaques noticiosos mais abaixo e tenha um bom dia de investimentos:

No Brasil, o mercado deve acompanhar o IPCA-15 de novembro e o Caged de outubro. Caso os dados de inflação venham positivos, o indicador pode aumentar a percepção do mercado de que há espaço para uma aceleração no corte da Selic, o que pode beneficiar a bolsa local. O Ibovespa descolou dos pares globais no dia de ontem, fechando o pregão em leve alta. Além da alta da bolsa local, o dia foi marcado pela queda nas taxas dos DIs futuros, seguindo o movimento de fechamento da curva de juros nos EUA. Na esfera política, o ministro do STF, André Mendonça, postergou o julgamento sobre a regularização do pagamento de precatórios. Apesar do adiamento, a Corte já formou maioria para declarar inconstitucional a adoção de um teto anual para o pagamento dos precatórios.

Nos EUA, os futuros dos principais índices acionários americanos operam em leve queda. Hoje os investidores acompanham os dados de confiança do consumidor do CB (Conference Board) e discursos de membros de Fed ao longo do dia. Os dados econômicos dessa semana devem testar novamente o movimento de alta das bolsas americanas, iniciado após a reunião do Fomc. Amanhã, teremos os dados do PCE, o índice de inflação favorito do Fed. Em caso de números mostrando uma inflação abaixo da esperada, o indicador pode renovar a convicção de parte do mercado de que os juros nos EUA chegaram no pico, e que o ciclo de afrouxamento monetário poderia iniciar no meio de 2024.

Continua após a publicidade

Na Europa, as bolsas operam em queda. Na Alemanha, o Índice Gfk de Confiança do Consumidor subiu para -27,8 em novembro, abaixo das estimativas de -28,2. No início da manhã, o presidente do Bundesbank, Joaquim Nagel, discursou em um evento no Chipre. Em seu discurso, o dirigente afirmou que, em caso de uma inflação resiliente na Zona do Euro, podem ocorrer novas altas dos juros na Europa. Nagel ainda defendeu uma redução no balanço do Banco Central Europeu. Na busca por sinalizações sobre o futuro da política monetária na região, o mercado ainda deve acompanhar no dia de hoje os discursos de membros do Banco Central Europeu, em especial de Christine Lagarde, presidente da instituição.

Na Ásia, as bolsas fecharam de forma mista. No Japão, o Nikkei apresentou desvalorização de 0,12%. Em Hong Kong, o Hang Seng caiu 0,98%, enquanto na Coreia do Sul, o Kospi apresentou valorização de 1,05%. Na China continental, o Shangai Composto fechou em alta de 0,23%, e o Shenzen Composto subiu 0,60%. O mercado acionário chinês foi puxado por uma valorização do setor automobilístico, após notícia de que a Huawei está buscando parceiros para investir em uma Joint Venture de carros inteligentes com a Chongqing Changan Automobile. A perspectiva de que haja uma retomada da economia do país com os estímulos governamentais também ajudou na valorização da bolsa.

Opinião

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL.

As opiniões emitidas neste texto são de responsabilidade exclusiva da equipe de Research do PagBank e elaboradas por analistas certificados. O PagBank PagSeguro e a Redação do UOL não têm nenhuma responsabilidade por tais opiniões. A única intenção é fornecer informações sobre o mercado e produtos financeiros, baseadas em dados de conhecimento público, conforme fontes devidamente indicadas, de modo que não representam nenhum compromisso e/ou recomendação de negócios por parte do UOL. As informações fornecidas por terceiros e/ou profissionais convidados não expressam a opinião do UOL, nem de quaisquer empresas de seu grupo, não se responsabilizando o UOL pela sua veracidade ou exatidão. Os produtos de investimentos mencionados neste material podem não ser adequados para todos os perfis de investidores que, antes de qualquer decisão, deverão preencher o questionário de suitability para a identificação do seu perfil de investidor e da compatibilidade do produto de investimento escolhido. As informações aqui veiculadas não devem ser consideradas como a única fonte para o processo decisório do investidor, sendo recomendável que este busque orientação independente e leia atentamente os materiais técnicos relativos a cada produto. As projeções e preços apresentados estão sujeitos a variações e podem impactar os portfolios de investimento, causando perdas aos investidores. A rentabilidade obtida no passado não representa garantia de resultados futuros. Este conteúdo não deve ser reproduzido no todo ou em parte, redistribuído ou transmitido para qualquer outra pessoa sem o consentimento prévio do UOL.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes