Só para assinantesAssine UOL
Opinião

Resultado fiscal do Brasil e dados ADP dos EUA são os destaques do mercado

Veja as principais notícias que impactam o seu bolso hoje.

Assista ao vivo aos destaques dos mercados, com análises dos especialistas de Research do PagBank, e se prepare para investir melhor.

Acompanhe o programa diariamente, de segunda a sexta-feira, às 8h40, e fique bem informado sobre todas as notícias e mudanças que impactam os mercados. Aproveite também para tirar suas dúvidas sobre investimentos.

O programa é apresentado pela equipe de Research e Economia do Pagbank.

Conheça a página de Investimentos do UOL, onde você tem orientações sobre como investir melhor para conquistar um sonho e garantir seu futuro.

Tem dúvidas? Envie sua pergunta para uoleconomiafinancas@uol.com.br.

Veja a análise do dia no vídeo a seguir, confira os destaques noticiosos mais abaixo e tenha um bom dia de investimentos:

No Brasil, o destaque do dia é o IGP-DI e o resultado primário consolidado, com estimativa de superávit. O PIB acima do esperado divulgado ontem pressionou os DIs e reforçou a visão mais cautelosa sobre a política monetária, esvaziando as projeções de um corte mais forte da Selic na próxima reunião do Copom. Na agenda política, o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, adiou para a próxima semana a votação do projeto de lei das apostas esportivas.

Continua após a publicidade

Nos EUA, os futuros das bolsas americanas operam com sinal positivo. O mercado monitora mais um número do mercado de trabalho, o ADP, que será divulgado hoje, dois dias antes da folha de pagamento (payroll). Os últimos dados dos EUA reforçaram o otimismo em relação a uma mudança global rumo à flexibilização do banco central no próximo ano. Os números do mercado de trabalho americano (Jolts), divulgados ontem, vieram mais fracos do que o previsto, o que reforçou as especulações de que o Fed reduzirá as taxas de juros no próximo ano para evitar uma recessão econômica. O relatório Jolts confirmou queda na abertura de vagas e ampliou para 65% as apostas de que o primeiro corte do Fed acontecerá já em março.

Na Europa, as bolsas operam no positivo. Os investidores estão avaliando os indicadores publicados, mostrando sinal fraco da indústria da Alemanha e das vendas no varejo da zona do euro. Mais cedo, a leitura oficial mostrou que as encomendas à indústria da Alemanha caíram 3,7% em outubro ante setembro, após ajustes sazonais. As vendas no varejo da zona do euro cresceram 0,1% em outubro, na comparação com setembro, vindo abaixo da variação do mercado, que esperava um avanço de 0,2%. Na comparação anual, houve queda de 1,2% nas vendas no varejo da região em outubro. O resultado, neste caso, veio em linha com o que era esperado. Mesmo com dados fracos, a abertura europeia vem positiva, com a avaliação de que a perda de fôlego na atividade ampara uma postura menos dura pelo BCE (Banco Central Europeu). Além dos dados econômicos divulgados mais cedo, os investidores aguardam as falas dos dirigentes do BCE, para mostrar possíveis sinalizações em relação a política de juros.

Na Ásia, as bolsas fecharam sem sinal único. Em Xangai, o quadro foi de perdas, um dia após a Moody's ter reafirmado o rating da China em A1, mas a perspectiva alterada de estável para negativa. Já em Tóquio, houve avanço de cerca de 2%, com investidores em busca de barganhas após perdas recentes no mercado japonês. A Bolsa de Xangai fechou em baixa de 0,11%, e a de Shenzhen subiu 0,55%. Em Hong Kong, o índice Hang Seng avançou 0,83%. Na Bolsa de Tóquio, o índice Nikkei subiu 2,04%, e o de Seul, o Kospi avançou 0,04%, mas cerrou no mínimo do dia. Em Taiwan, o índice Taiex subiu 0,19%.

Opinião

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL.

As opiniões emitidas neste texto são de responsabilidade exclusiva da equipe de Research do PagBank e elaboradas por analistas certificados. O PagBank PagSeguro e a Redação do UOL não têm nenhuma responsabilidade por tais opiniões. A única intenção é fornecer informações sobre o mercado e produtos financeiros, baseadas em dados de conhecimento público, conforme fontes devidamente indicadas, de modo que não representam nenhum compromisso e/ou recomendação de negócios por parte do UOL. As informações fornecidas por terceiros e/ou profissionais convidados não expressam a opinião do UOL, nem de quaisquer empresas de seu grupo, não se responsabilizando o UOL pela sua veracidade ou exatidão. Os produtos de investimentos mencionados neste material podem não ser adequados para todos os perfis de investidores que, antes de qualquer decisão, deverão preencher o questionário de suitability para a identificação do seu perfil de investidor e da compatibilidade do produto de investimento escolhido. As informações aqui veiculadas não devem ser consideradas como a única fonte para o processo decisório do investidor, sendo recomendável que este busque orientação independente e leia atentamente os materiais técnicos relativos a cada produto. As projeções e preços apresentados estão sujeitos a variações e podem impactar os portfolios de investimento, causando perdas aos investidores. A rentabilidade obtida no passado não representa garantia de resultados futuros. Este conteúdo não deve ser reproduzido no todo ou em parte, redistribuído ou transmitido para qualquer outra pessoa sem o consentimento prévio do UOL.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes