PUBLICIDADE
IPCA
0,73 Dez.2021
Topo

Cotações

OGX, de Eike Batista, tem alto risco de calote, diz agência de risco

Do UOL, em São Paulo

03/07/2013 07h46Atualizada em 03/07/2013 10h43

A agência de classificação de risco Moody's rebaixou, no fim desta terça-feira (2), a nota de crédito da petrolífera OGX (OGXP3), do bilionário Eike Batista, de "B2" para "CAA2" com perspectiva negativa. Essa classificação significa alto risco de calote, e é a quarta pior nota da agência em uma escala com 21 classificações.

Também ontem, outra agência de risco, a Standard & Poor's, cortou a nota de crédito da petroleira, de "B-" para "CCC", num nível próximo ao de empresas em situação de calote. Em meados de junho, a Fitch também havia rebaixado a nota da empresa, para CCC.

As agências de classificação de risco, que dão notas para países, empresas e negócios, determinando sua suposta credibilidade financeira, foram muito criticadas por terem falhado na crise global de 2008/2009.

Justificativa da Moody's

De acordo com a Moody's, "o rebaixamento do rating da OGX é motivado pela fraca resposta de produção de petróleo e dos fluxos de caixa, comprometendo negativamente a cobertura de notas sênior sem garantias da empresa".

Sustentando que a nova classificação reflete a alta alavancagem financeira em relação à produção da empresa e seus fluxos de caixa, a Moody's acrescentou que a OGX deverá enfrentar um cenário de liquidez apertada nos próximos 12 a 18 meses, com a expectativa de busca de alternativas adicionais para o cumprimento de obrigações operacionais e financeiras.

Crise de confiança

As decisões ocorrem num momento em que as empresas do bilionário enfrentam uma séria crise de confiança no mercado e grandes perdas na Bolsa de Valores. As ações da empresa desabaram 20% em apenas um dia.

A empresa de gestão de risco Kamakura listou a OGX a terceira empresa do mundo com maiores ameaças de calote aos credores. Vários bancos também reduziram sua expectativa de preço para a ação da OGX --o Deutsche Bank estimou que o papel vai valer R$ 0,10 no prazo de um ano.

Momento conturbado para a OGX

Segundo a S&P, o rebaixamento deve-se principalmente ao anúncio feito pela OGX na segunda-feira de redução nos planos de desenvolvimento da produção. Segundo a petroleira, os três poços no campo de Tubarão Azul podem cessar a produção em 2014, devido à falta de tecnologia disponível.

Além disso, a OGX cancelou encomendas para novas plataformas de petróleo, e não irá desenvolver os campos de Tubarão Tigre, Tubarão Gato e Areia Tubarão, todos na bacia de Campos.

"Esperamos que a OGX precise de financiamento externo adicional para amortecer a falta de caixa no fim de 2013 e começo de 2014", segundo a agência de risco.

(Com Reuters)

PUBLICIDADE

Cotações