PUBLICIDADE
IPCA
1,25 Out.2021
Topo

Cotações

Bolsa sobe no dia, passa de 61 mil pontos e fecha mês com alta de quase 10%

Do UOL, em São Paulo

29/08/2014 17h39Atualizada em 29/08/2014 17h58

Ibovespa, principal índice da Bolsa brasileira, fechou em alta de 1,65% nesta sexta-feira (29), a 61.288,15 pontos. É o maior valor de fechamento desde 23 de janeiro de 2013, quando a Bolsa encerrou a 61.966,26 pontos. 

Com isso, a Bovespa encerra a semana com alta de 4,93%. Em agosto, acumulou valorização de 9,78%, e emendou o terceiro mês de avanço. É o melhor desempenho para o mês desde 2003. No ano, a Bolsa acumula ganhos de 18,99%. 

Os investidores analisaram a divulgação do plano de governo do PSB e aguardam a pesquisa do Datafolha que deve sair ainda hoje.

O mercado repercutiu, ainda, a divulgação de dados sobre a economia brasileira. O PIB (Produto Interno Bruto) encolheu 0,6% no 2º trimestre em relação aos três meses anteriores. Além disso, os resultados do 1º trimestre foram revisados de alta de 0,2% para queda de 0,2%.

Com dois trimestres seguidos de resultado negativo, considera-se tecnicamente que o país está em recessão. Isso não acontecia desde a crise financeira global de 2008 e 2009.

Em nota a clientes, o Itaú BBA disse que os negócios foram influenciados pelo PIB mais fraco do que o esperado; investidores apostavam que Dilma Rousseff (PT) pode perder votos com o mau desempenho da economia.

O bom desempenho das ações das estatais Banco do Brasil e Petrobras, que têm sido influenciadas pelo cenário eleitoral, puxaram a alta desta sessão. O Banco do Brasil (BBAS3) avançou 5,2%, a R$ 34,99.

As ações ordinárias da Petrobras (PETR3), que dão direito a voto, ganharam 3,22%, a R$ 22,14. As preferenciais (PETR4), com prioridade na distribuição de dividendos, subiram 2,41%, a R$ 23,35.

No mercado de câmbio, o dólar comercial fechou praticamente estável, com leve queda de 0,01%, a R$ 2,239 na venda. Com isso, a moeda norte-americana se mantém no menor nível desde 29 de julho, quando encerrou a R$ 2,231. O dólar encerra a semana com perdas de 1,82% e o mês, com desvalorização de 1,36%. No ano, a moeda acumula queda de 5,03%. 

Mais sobre Bolsa e dólar

  • UOL

    Direto da Bolsa

    Dólar e Bolsa são influenciados pelas notícias do dia. Leia os destaques de hoje aqui

  • Thinkstock

    UOL Invest

    O simulador de Bolsa UOL Invest é grátis e permite que você aprenda como investir e concorra a tablets e passagens aéreas. Acesse por computador e tablet (clique nesta mensagem) ou celular (digite ou copie: uolinvest.economia.uol.com.br)

  • Alex Almeida/Folhapress

    Consulte suas ações

    Quer saber o preço de suas ações preferidas? Consulte o UOL Cotações, veja gráficos no formato que quiser, desempenho no dia e histórico de 1 ano. Acesse por computador e tablet (clique nesta mensagem) ou celular (digite ou copie: http://uol.com/bfdNjz)

  • Shutterstock

    Histórico do dólar

    Precisa saber quanto estava custando o dólar, o euro, o peso argentino um tempo atrás? Veja o histórico do UOL Cotações de até 1 ano para as principais moedas do mundo. Acesse grátis por computador e tablet (clique nesta mensagem) ou celular (digite ou copie: http://uol.com/bwdPmd)

Bolsas internacionais

As principais Bolsas de Valores europeias fecharam em alta nesta sexta-feira, mas sem variações expressivas. Em Londres, o índice Financial Times avançou 0,2%; em Frankfurt, o DAX teve leve alta de 0,08%. Em Paris, o índice CAC-40 ganhou 0,34%; em Milão, o Ftse/Mib teve valorização de 0,54%.

Em Madri, o índice Ibex-35 registrou leve alta de 0,06%; em Lisboa, o índice PSI20 valorizou-se 0,6%.

Na Ásia e no Pacífico, as Bolsas fecharam sem uma tendência definida, com investidores preocupados com as tensões políticas e militares entre Ucrânia e Rússia. Enquanto a Bolsa de Xangai, na China, subiu 0,97%, o índice Nikkei, do Japão, fechou em queda de 0,23%. Seul, na Coreia do Sul, perdeu 0,35%, e Taiwan recuou 0,44%.

A Bolsa de Hong Kong fechou sem variação. Cingapura fechou praticamente estável, com leve queda de 0,09%, assim como Sydney, na Austrália, que teve leve alta de 0,03%.

(Com Reuters) 

Saiba quais são os motivos do sobe e desce do dólar, as medidas adotadas pelo governo e quem essa oscilação beneficia

Entenda

PUBLICIDADE

Cotações