Bolsas

Câmbio

Bolsa recua 1,75% e fecha no menor nível em dois meses; dólar cai a R$ 3,41

Do UOL, em São Paulo

O dólar comercial fechou em queda de 0,41% nesta segunda-feira (16), a R$ 3,412 na venda, após duas altas seguidas. O Ibovespa, principal índice da Bolsa brasileira, teve a segunda desvalorização seguida, de 1,75%, a 82.861,58 pontos. É o menor nível de fechamento da Bolsa em mais de dois meses, desde 9 de fevereiro (80.898,7 pontos). 

Na última sexta-feira (13), o dólar havia subido 0,53% e atingido o maior valor de fechamento desde 5 de dezembro de 2016 (R$ 3,429). A Bolsa havia caído 1,3%. 

Siderúrgicas caem

As siderúrgicas e as ações de empresas com forte peso no índice puxaram o resultado negativo da Bolsa nesta segunda.

A Usiminas caiu 4,66%, a CSN, 2,74% e a Gerdau, 0,3%.

Os papéis das estatais Petrobras (-3,54%) e Banco do Brasil (-3,56%) caíram mais de 3%. Também registraram perdas os bancos Bradesco (-2,18%) e Itaú (-1,47%). Outras empresas que se desvalorizaram foram a mineradora Vale, (-0,98%), a fabricante de aviões Embraer (-1,6%), e a BRF, dona da Sadia e da Perdigão (-3%).

Pesquisa Datafolha

A sessão desta segunda foi influenciada pelos resultados de uma pesquisa de intenção de votos divulgados no fim de semana pelo Datafolha, a primeira após a prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). A pesquisa mostrou um cenário eleitoral bastante indefinido, com Lula ainda liderando na preferência dos eleitores.

Na hipótese de o ex-presidente não concorrer, a ex-senadora Marina Silva (Rede) e o deputado federal Jair Bolsonaro (PSL-RJ) aparecem como os dois candidatos à frente, em empate técnico.

O ex-ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Joaquim Barbosa (PSB) tem 10% no cenário sem Lula, enquanto o ex-ministro Ciro Gomes (PDT) teria 9%, e o ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin (PSDB) chega a 8%.

Tensão no exterior diminui

No exterior, investidores avaliam que a tensão diminuiu dois dias depois do ataque dos Estados Unidos e aliados à Síria, em resposta a um ataque com gás venenoso que matou dezenas de pessoas na semana passada. 

Com o discurso dos EUA de que não haveria mais ataques e sem respostas mais agressivas da Rússia, aliada do governo sírio, os mercados internacionais operavam com relativa calma, apostando que não haverá escalada militar na região.

(Com Reuters)

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos