IPCA
0.19 Jul.2019
Topo

Cotações


Dólar sobe após 4 quedas seguidas e fecha a R$ 3,756; Bolsa emenda 3º recuo

Do UOL, em São Paulo

15/07/2019 17h13Atualizada em 15/07/2019 17h26

O dólar comercial fechou hoje em alta de 0,46%, a R$ 3,756 na venda, interrompendo uma sequência de quatro quedas seguidas. O Ibovespa, principal índice da Bolsa brasileira, fechou com leve recuo de 0,1%, a 103.802,69 pontos, na terceira desvalorização consecutiva. É o menor nível da Bolsa em mais de uma semana, desde 4 de julho (103.636,17 pontos).

O valor do dólar divulgado diariamente pela imprensa, inclusive o UOL, refere-se ao dólar comercial. Para turistas, o valor sempre é maior.

Reforma da Previdência

O mercado ainda repercutia a aprovação do texto principal da reforma da Previdência na Câmara, na semana passada, as alterações feitas pelo plenário da Casa e a decisão de adiar para agosto a votação da proposta em segundo turno.

Inicialmente, a intenção do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), era votar em segundo turno antes do início do recesso parlamentar, em 18 de julho.

Apesar do adiamento, investidores veem com bons olhos a estimativa do governo de que a reforma deve gerar economia de cerca de R$ 900 bilhões em dez anos.

O secretário especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia, Rogério Marinho, estima que a PEC (Proposta de Emenda à Constituição) será analisada em segundo turno pela Câmara no dia 6 de agosto e que a matéria será aprovada pelo Senado até setembro.

A presidente da CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) do Senado, Simone Tebet (MDB-SM), disse hoje que a tramitação na Casa deve durar cerca de 60 dias.

Cenário externo

Com o noticiário ligado à reforma em pausa até agosto, agentes financeiros se voltaram para outras matérias econômicas sendo tocadas pelo governo e também para o exterior.

Nesta segunda-feira, havia sentimento de alívio no exterior após dados sobre a economia chinesa ajudarem a amenizar temores sobre uma desaceleração na economia do país.

O ritmo de crescimento no segundo trimestre foi o mais lento em ao menos 27 anos, mas em linha com as expectativas. Além disso, dados de produção industrial e vendas no varejo em junho superaram as expectativas.

O mercado também segue apostando que o Federal Reserve (Fed, o banco central dos Estados Unidos) deve cortar as taxas de juros em breve. Juros mais baixos tendem a atrair para outros países, como o Brasil, recursos hoje investidos nos EUA.

(Com Reuters)

Entenda como funciona o câmbio do dólar

UOL Notícias

Mais Cotações