PUBLICIDADE
IPCA
0,25 Fev.2020
Topo

Cotações


Bolsa sobe 32% no ano, bate ouro e dólar e é o melhor investimento de 2019

João José Oliveira

do UOL, em São Paulo

30/12/2019 18h35

Resumo da notícia

  • Queda de taxa básica de juros e retomada da economia favorecem ações das empresas na Bolsa
  • Queda dos juros afeta poupança e investimentos de renda fixa ligados ao CDI
  • Ouro fica com segunda posição no ranking dos investimentos

O Ibovespa, índice formado pelas ações mais negociadas na Bolsa brasileira, subiu 31,6% neste ano, atingindo 115.645 pontos. Essa pontuação ficou perto do recorde histórico batido pelo indicador, no último dia 26, quando atingiu 117.203 pontos, em termos nominais (sem considerar inflação).

Para profissionais de mercado, a queda da taxa básica de juros (Selic) para a mínima histórica afetou o rendimento das aplicações relacionadas ao CDI, que perdeu atratividade. Alguns exemplos de investimentos vinculados ao CDI são CDBs, fundos de renda fixa e alguns títulos do Tesouro Direto. Isso levou mais brasileiros a procurarem aplicações na Bolsa em busca de rentabilidade. O número de pessoas físicas aplicando na renda variável superou 1,5 milhão, quase dobrando o número de 2018.

Essa mesma queda dos juros estimulou a retomada da economia, enquanto a inflação segue controlada. Tudo isso favorece as empresas com ações listadas na Bolsa. Segundo o economista-chefe do banco digital Modalmais, Alvaro Bandeira, as companhias também fizeram ajustes durante a crise e, por isso, estão mais preparadas para aproveitar a retomada do consumo e dos investimentos.

"Além disso, os preços dos ativos estavam atraentes se colocados na perspectiva favorável e taxa de juros em quedas com investidores buscando melhores retornos", disse Bandeira. Para ele, o quadro para a Bolsa em 2020 é positivo, com o crescimento do PIB mais que dobrando, inflação contida e juros baixos. "Porém, temos que perseguir reformas estruturantes, dar segurança jurídica para investimentos e tornar a economia mais competitiva", afirmou.

Ibovespa na liderança em 2019

Veja abaixo as variações nominais de alguns dos principais indicadores no mercado de investimentos.

  • Ibovespa: 31,6%
  • Ouro: 28,3% (contrato na B3)
  • Poupança antiga: 6,2%
  • CDI: 5,9%
  • Dolar (Ptax venda): 3,6%
  • Poupança nova: 4,3%

Incertezas no exterior ajudam ouro

No levantamento da empresa de informações financeiras Economatica, a segunda posição entre os investimentos em 2019 ficou com o ouro. O contrato negociado na bolsa brasileira B3 acumulou alta de 28,3% no ano.

O metal tem o preço definido no mercado internacional e foi influenciado pelo ambiente de incertezas no exterior, por causa de questões como a guerra comercial entre os Estados Unidos e a China, a saída do Reino Unido da União Europeia e a crise econômica na Argentina. "Em momento de incertezas, o ouro é procurado como forma de segurança", disse o gerente de relacionamento da Economatica, Einar Rivero.

Na sequência da lista dos investimentos, apareceram a caderneta de poupança antiga (6,2%) e o CDI (5,9%), influenciados negativamente pela queda da taxa Selic.

O dólar, que chegou a bater recorde de cotação em termos nominais no segundo semestre, perdeu o fôlego na reta final do ano a terminou 2019 com uma variação de 3,5%.

Veja mais economia de um jeito fácil de entender: @uoleconomia no Instagram.
Ouça os podcasts Mídia e Marketing, sobre propaganda e criação, e UOL Líderes, com CEOs de empresas.
Mais podcasts do UOL em uol.com.br/podcasts, no Spotify, Apple Podcasts, Google Podcasts e outras plataformas.

Entenda como funciona o câmbio do dólar

UOL Notícias

Cotações