Conteúdo publicado há 9 meses

Bolsa tem maior sequência de quedas em 39 anos; dólar sobe a R$ 4,966

O dólar comercial encerrou a sessão desta segunda-feira (14) em alta de 1,25%, cotado a R$ 4,966.

O Ibovespa, principal índice da Bolsa de Valores brasileira (B3), encerrou em queda de 1,06%, aos 116.809,55 pontos. Esta é a 10ª desvalorização consecutiva da Bolsa, maior sequência diária de quedas registrada desde fevereiro de 1984. O Ibovespa acumula queda de 4,21% em agosto e alta de 6,45% no ano.

Cenário interno:

O Banco Central informou que o IBC-Br, sinalizador do PIB (Produto Interno Bruto), avançou 0,63% em junho na comparação com o mês anterior. O dado foi divulgado pelo Banco Central hoje. A expectativa do mercado era de uma alta de 0,60% no mês.

Sequência de quedas era esperada pelo mercado. Em carta aos clientes, os analistas da BB Investimentos já alertavam para o fato de que a sequência de desvalorizações poderia continuar. "Ainda não vemos gatilhos para uma recuperação do Ibovespa nos próximos dias".

Câmara dos Deputados deve votar nesta semana o novo arcabouço fiscal. O presidente da Casa, deputado Arthur Lira (PP-AL), marcou para hoje uma reunião com técnicos e parlamentares para discutir alterações no texto da proposta.

Cenário externo:

Valorização global do dólar ocorre em meio às preocupações com a desaceleração da economia da China agravada por dificuldades na área imobiliária. A China é uma importante comprador global de commodities. No centro da turbulência nesta segunda está a Country Garden, importante incorporadora chinesa que busca atrasar o pagamento de um título privado.

Os negócios nos EUA refletiam também os dados da inflação no país, anunciados na última sexta-feira (11). Na ocasião, o Departamento do Trabalho informou que o índice de preços ao produtor (PPI, na sigla em inglês) para a demanda final subiu 0,3% em julho, ante variação zero do mês anterior. Nos 12 meses até julho, os preços ao produtor aumentaram 0,8%, após alta de 0,2% em junho.

Na Argentina, o banco central anunciou hoje uma desvalorização de quase 18% do peso. A autoridade fixou a taxa de câmbio em 350 por dólar até a eleição geral de outubro e elevou a taxa básica de juros de 97% para 118% ao ano. O efeito é consequência da surpresa causada pela vitória do candidato de extrema-direita Javier Milei nas eleições primárias do país.

Continua após a publicidade

O valor do dólar divulgado diariamente pela imprensa, inclusive o UOL, refere-se ao dólar comercial (saiba mais clicando aqui). Para quem vai viajar e precisa comprar moeda em corretoras de câmbio, o valor é bem mais alto.

(Com Reuters)

Deixe seu comentário

Só para assinantes