Conteúdo publicado há 1 mês

Dólar cai a R$ 4,922 após PIB dos EUA crescer 3,3% no 4º tri; Bolsa sobe

O dólar caiu 0,19% e fechou o dia cotado a R$ 4,922. Em janeiro, a moeda americana ainda acumula valorização de 1,44% frente ao real.

Já o Ibovespa subiu 0,28% e chegou aos 128.168,73 pontos. No mês, o principal índice da Bolsa de Valores brasileira (B3) já recuou 4,48%, depois de saltar mais de 5% em dezembro.

O valor do dólar divulgado diariamente pela imprensa, inclusive o UOL, refere-se ao dólar comercial (saiba mais clicando aqui). Para quem vai viajar e precisa comprar moeda em corretoras de câmbio, a referência é o dólar turismo, e o valor é bem mais alto.

O que aconteceu

Mercado acompanha a divulgação do PIB nos Estados Unidos. Resultado veio acima do esperado para o quarto trimestre de 2023, mas com indicadores de inflação acomodados.

Crescimento foi de 3,3%. Mais cedo, o Departamento de Comércio dos EUA informou que o Produto Interno Bruto no último trimestre do ano passado aumentou a uma taxa anualizada de 3,3%, bem acima das expectativas dos economistas consultados pela Reuters, de alta de 2%.

Investidores também estão de olho no BCE (Banco Central Europeu). Além dos números norte-americanos, o mercado acompanha a decisão do banco europeu, que manteve sua taxa básica de juros em um patamar recorde de 4%. Por outro lado, a instituição observou que a inflação subjacente continuou a cair.

Com a agenda esvaziada no Brasil, mercado monitora Congresso. Novidades sobre a tramitação de medidas fiscais do governo na Câmara são esperadas apenas na próxima semana.

Reunião com o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL) na segunda-feira (29). No encontro, ele deve arbitrar os principais temas que geraram atrito entre deputados e o governo neste início de 2024, como a medida provisória da reoneração e o veto às emendas de comissão. A ideia é discutir estes pontos antes mesmo do início das atividades legislativas, marcado para o dia 5 de fevereiro.

Continua após a publicidade

Investidores monitoram a Vale. Há rumores de que o governo federal estaria pressionando acionistas da companhia a apoiar a indicação do ex-ministro Guido Mantega para o cargo de CEO. De acordo com apuração do Estadão, a permanência de Eduardo Bartolomeo na presidência da Vale deve ser decidida até a terça-feira que vem.

(*Com Reuters e Estadão)

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes